Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

PEQUIM, 7 Mai (Reuters) – A chinesa ZTE pediu ao
escritório de Indústria e Segurança do Departamento de Comércio
dos Estados Unidos (BIS, na sigla em inglês) a suspensão de uma
proibição de negócios, disse a empresa em comunicado à Bolsa de
valores de Shenzhen.
Washington proibiu empresas norte-americanas por sete anos
de vender componentes e softwares para a ZTE no mês passado,
após descobrir que a empresa chinesa de telecomunicações violou
as sanções dos EUA ao Irã.
A empresa chinesa é fortemente dependente das importações de
chips norte-americanos e a proibição de vendas ameaça prejudicar
seu negócio de smartphones. A ZTE disse que a proibição é
inaceitável e ameaça sua sobrevivência.
Na semana passada, negociadores chineses que mantêm
negociações comerciais com os EUA em Pequim pediram aos EUA que
ouçam o apelo da ZTE e levem em conta os esforços da empresa
para melhorar sua conformidade e alterar a proibição.
Autoridades norte-americanas disseram que a ação contra a
ZTE não estava ligada à política comercial, mas a medida foi
vista por muitos na China como parte da disputa comercial mais
ampla entre as duas maiores economias do mundo.
O analista da DBS Vickers, Tam Tsz-Wang, disse que o pedido
da ZTE parecia ser algo de praxe.
"Isso não me faz ficar positivo", disse Tam à Reuters. "O
resultado é mais uma questão que depende da negociação entre EUA
e China", acrescentou ele, recusando-se a especular.
A proibição de vendas para a ZTE também ressaltou a forte
dependência da China em relação a importações de semicondutores,
em meio a crescentes tensões comerciais com os EUA.
O presidente da ZTE, Yin Yimin, escreveu uma carta afirmando
que a empresa está "tomando medidas proativas sob a orientação
do governo chinês, pressionando por uma resolução o mais rápido
possível".
(Por Min Zhang)
((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447509))
REUTERS SI AAP


Assuntos desta notícia