Clicky

MetaTrader 728×90

Por Roberta Rampton e Karen Freifeld
WASHINGTON/NOVA YORK, 4 Dez (Reuters) – Uma série de tuítes
do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre uma
investigação a respeito dos contatos de sua campanha de 2016 com
a Rússia causou preocupação em parlamentares republicanos e
democratas no domingo, e o senador republicano Lindsey Graham
disse que Trump pode estar correndo um "risco" ao comentar o
inquérito.
"Eu diria simplesmente isto ao presidente: existe uma
investigação criminal em andamento", disse Graham no programa
"Face the Nation" da rede CBS.
"Você tuita e comenta investigações criminais em andamento
por sua própria conta e risco", acrescentou.
Na manhã de domingo Trump escreveu no Twitter que nunca
pediu a James Comey, ex-diretor do FBI, para parar de investigar
Michael Flynn, ex-conselheiro de Segurança Nacional presidencial
– uma declaração que se choca com um relato do próprio Comey.
Esse tuíte se seguiu a outro de sábado no qual Trump
escreveu: "Tive que demitir o general Flynn porque ele mentiu ao
vice-presidente (Mike Pence) e ao FBI".
Especialistas jurídicos e alguns parlamentares democratas
disseram que, se Trump sabia que Flynn mentiu à Polícia Federal
e depois pressionou Comey a não investigá-lo, isso poderia dar
respaldo a uma acusação de obstrução da justiça.
O advogado de Trump, John Dowd, disse à Reuters em uma
entrevista concedida no domingo que ele rascunhou o tuíte de
sábado e "cometeu um erro" ao redigi-lo.
"O erro foi que eu deveria ter colocado a mentira ao FBI em
uma linha separada referente à sua declaração", disse Dowd. "Ao
invés disso, coloquei tudo junto e isso fez vocês enlouquecerem.
Tuíte é taquigrafia".
Dowd disse que a primeira vez que o presidente tomou
conhecimento de que Flynn mentiu ao FBI foi quando este foi
acusado.
Ele complicou o assunto ainda mais ao dizer que em janeiro a
então secretária de Justiça, Sally Yates, informou Don McGahn,
conselheiro da Casa Branca, que Flynn disse a agentes do FBI a
mesma coisa que disse a Pence, e que McGahn relatou sua conversa
com Yates a Trump. Ele disse que Yates não caracterizou a
conduta de Flynn como uma violação legal.
Dowd afirmou ter sido a primeira e última vez que redigiu um
tuíte para o presidente.
"Assumirei a responsabilidade. Lamento ter desorientado as
pessoas".
Yates não respondeu a um email pedindo comentário, um
advogado de McGahn não respondeu a pedidos de comentário e a
Casa Branca tampouco respondeu de imediato a um pedido de
comentário.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759))
REUTERS ES


Assuntos desta notícia

Join the Conversation