Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

BRASÍLIA, 13 Abr (Reuters) – O Tribunal Regional Federal da
4ª Região (TRF-4) marcou para a próxima quarta-feira o
julgamento dos novos embargos de declaração apresentados pela
defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a
condenação do petista pela corte no processo do tríplex do
Guarujá, informou nesta sexta-feira a assessoria de imprensa da
corte.
Lula está preso desde sábado na Superintendência da Polícia
Federal em Curitiba, local em que cumpre pena de 12 anos e 1 mês
de prisão, em regime fechado, pelos crimes de corrupção passiva
e lavagem de dinheiro no caso do tríplex.
A decisão de deter o ex-presidente, tomada pelo juiz federal
Sérgio Moro após aval do TRF-4, pegou de surpresa os advogados e
aliados do petista por avaliarem que a Justiça iria esperar ao
menos o julgamento dos segundos embargos de declaração para
decidir sobre a execução da pena dele.
Os segundos embargos de declaração da defesa do petista
foram apresentados na terça-feira e pedem, entre outras
demandas, a nulidade do processo baseado na suspeição de Moro,
que condenou o ex-presidente em primeira instância a 9 anos e 6
meses de prisão. A condenação foi confirmada pela 8ª Turma do
TRF-4 e a pena foi aumentada.
Esse será o último recurso de Lula no TRF-4, segundo a
assessoria do órgão. Após isso, se for novamente rejeitado, o
ex-presidente deverá entrar com recursos no Superior Tribunal de
Justiça e no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a sua
condenação.
Em outra frente, o petista aposta na revisão do entendimento
do STF, que permite a execução da pena após esgotados os
recursos em segunda instância, para voltar a ficar em liberdade.
Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto para a
Presidência na eleição de outubro, foi condenado por, no
entendimento de Moro e dos três desembargadores da 8ª Turma,
receber o tríplex como propina paga pela empreiteira OAS em
troca de contratos na Petrobras .
O petista deve ficar impedido de entrar na corrida
presidencial por causa da Lei da Ficha Limpa, que torna
inelegíveis condenados por órgãos colegiados da Justiça, caso da
8ª Turma do TRF-4.
Lula nega ser dono do imóvel, assim como quaisquer
irregularidades, e afirma ser alvo de uma perseguição política
promovida por setores da imprensa, do Judiciário, do Ministério
Público e da Polícia Federal com o objetivo de impedi-lo de ser
candidato.

(Reportagem de Ricardo Brito
Edição de Eduardo Simões)
(([email protected]; 55 11 5644 7759; Reuters
Messaging: [email protected]))

MetaTrader 300×250

Assuntos desta notícia

Join the Conversation