Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

BOGOTÁ, 5 Dez (Reuters) – Treze pessoas, incluindo civis,
foram mortos durante um confronto entre os rebeldes do ELN, da
Colômbia, e dissidentes do agora desmobilizado grupo
guerrilheiro Farc em uma área remota conhecida pelo tráfico de
drogas, disse o ouvidor do país nesta terça-feira.
O incidente ocorreu em 27 de novembro na região sudoeste de
Narino, local onde gangues criminosas e grupos rebeldes são
conhecidos por cultivar, processar e contrabandear a coca,
ingrediente base da cocaína.
Um acordo de paz duramente conquistado foi acordado com o
agora desmantelado grupo rebelde Forças Armadas Revolucionárias
da Colômbia (Farc) no ano passado, encerrando cerca de cinco
décadas de guerra.
No entanto, um arranjo de dissidentes das Farc, rebeldes do
Exército de Libertação Nacional (ELN), ex-paramilitares de
direita e gangues criminosas ainda estão ativos na Colômbia,
competindo pelo controle de minas ilegais lucrativas e rotas de
tráfico de drogas.
Em Narino, combatentes do ELN atacaram membros da
Resistência Rural, disse o ouvidor, Carlos Alfonso Negret, em
relatório. A Resistência Rural é um grupo de dissidentes das
Farc que se recusam a se desmobilizar após o acordo de paz.
"O gabinete do ouvidor visitou a área e foi capaz de
determinar uma troca de tiros entre o grupo que se denomina
Resistência Rural e o ELN", disse Negret aos jornalistas. "Houve
fogo cruzado que matou 13 pessoas", acrescentou, sem especificar
quantos dos mortos eram civis.
Mais de 11 mil combatentes e colaboradores das Farc
entregaram suas armas este ano como parte do acordo de paz. O
grupo manteve suas iniciais em sua reencarnação como partido
político.
Porém, Negret afirmou que cerca de 800 ex-guerrilheiros não
se desmobilizaram, enquanto outras fontes de segurança e
institutos de pesquisa colocam os números de dissidentes ex-Farc
entre 700 e 1.300.
O ELN e o governo iniciaram seu primeiro cessar-fogo
bilateral em outubro, como parte de negociações de paz ocorrendo
no Equador.
(Reportagem de Luis Jaime Acosta)
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765))
REUTERS TR


Assuntos desta notícia

Join the Conversation