Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

BRASÍLIA, 18 Mai (Reuters) – O presidente Michel Temer
defendeu, em entrevista ao jornal Correio Braziliense publicada
nesta sexta-feira, que os candidatos do chamado centro firmem um
pacto em torno de um único nome para concorrer ao Palácio do
Planalto em outubro.
“Eu penso que todos os candidatos tinham de abrir mão para
firmar um pacto em torno de um só candidato”, afirmou Temer,
acrescentando que este nome pode até mesmo não estar entre os
anunciados até agora.
O presidente –que ainda afirmou ainda estar "meditando"
sobre sua própria candidatura– destacou ver força com base nas
pesquisas de intenção de voto atuais nos nomes do deputado Jair
Bolsonaro (PSL) e dos ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Marina
Silva (REDE). “Isso significa que precisamos ter um único
candidato de centro", reforçou.
Temer avaliou que o "afunilamento" das candidaturas vai
ocorrer no fim de junho ou começo de julho. Para ele, que disse
ser contra "rótulos" de esquerda e direita, o eleitor vai
escolher seu candidato em face dos projetos. "Agora, se no
chamado centro tivermos oito, nove candidatos, ninguém vai
chegar lá", disse.
Um ano após a divulgação do áudio gravado pelo empresário
Joesley Batista, que desembocou na maior crise do seu governo, o
presidente classificou o episódio de "embaraço do dia 17 de
maio". Afirmou que, se houve erro, não foi dele.
“O erro foi ele gravar. Recebi inúmeras pessoas no Jaburu e
não colocava na agenda. Foi um descuido meu, mas não que tenha
sido um gesto criminoso, absolutamente não”, disse Temer.
(Por Ricardo Brito; Edição de Pedro Fonseca)
(([email protected]; 55 21 2223-7128; Reuters
Messaging:[email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation