Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

CARACAS (Reuters) – A Suprema Corte da Venezuela, pró-governo, proibiu na noite de quinta-feira a coalizão de oposição de se registrar para a eleição presidencial deste ano, possivelmente fragmentando os adversários do presidente Nicolás Maduro, ao forçar os partidos políticos a apresentarem candidatos separados.

A decisão da corte foi apenas o último golpe contra a oposição, que busca derrubar o impopular presidente de esquerda Nicolás Maduro em meio a uma intensa crise econômica.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Os líderes mais populares da oposição, como Leopoldo López e Henrique Capriles, estão proibidos de participar da eleição, que deve acontecer antes do dia 30 de abril. Alguns estão presos, outros estão em exílio ou banidos da política.

A coalizão planejava realizar primárias para escolher um candidato conjunto. Entretanto, a decisão de quinta-feira determinou que a coalizão violou o princípio de impedir a "afiliação dupla" na política e, portanto, não poderia ser validada.

(Reportagem de Alexandra Ulmer e Corina Pons)
2018-01-26T093514Z_1_LYNXMPEE0P0I7_RTROPTP_1_VENEZUELA-POLITICS-EXPATRIATES.JPG urn:newsml:onlinereport.com:20180126:nRTROPT20180126093514LYNXMPEE0P0I7 Mulher segura bandeira da Venezuela em Madri, na Espanha OLBRTOPNEWS Reuters Brazil Online Report Top News 20180126T091929+0000 20180126T093514+0000


Assuntos desta notícia