Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Bernie Woodall e Zachary Fagenson
PARKLAND, Flórida, 15 Fev (Reuters) – Um jovem de 19 anos
deve comparecer perante um tribunal da Flórida nesta
quinta-feira, acusado de 17 homicídios, um dia depois de,
segundo autoridades, ter aberto fogo na escola de onde havia
sido expulso, provocando um dos mais letais incidentes com tiros
em colégios na história dos Estados Unidos.
O ex-aluno, identificado como Nikolas Cruz, adentrou na
escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas em Parkland, na
quarta-feira, e abriu fogo contra estudantes e professores,
disse o chefe de polícia do condado de Broward, Scott Israel. A
polícia acredita que ele agiu sozinho.
Cruz deve comparecer a um tribunal na tarde desta quinta
para uma audiência sob 17 acusações de homicídio premeditado,
disse Constance Simmons, uma porta-voz do gabinete da promotoria
do Estado.
O ex-aluno estava armado com um fuzil do tipo AR-15 e tinha
diversas revistas de munição quando se entregou para policiais
em uma área residencial próxima, segundo a polícia. Ele amava
armas e foi expulso da escola por razões disciplinares não
especificadas, disseram ex-colegas e a polícia.
O incidente com tiros na comunidade localizada 72
quilômetros ao norte de Miami foi o 18º a ocorrer em uma escola
dos Estados Unidos este ano, de acordo com o grupo de controle
de armas Everytown for Gun Safety, mantendo um padrão
preocupante que tem se desenvolvido ao longo dos últimos anos.
Foi o segundo tiroteio mais mortal em uma escola pública dos
EUA após o massacre, em 2012, de 20 alunos de primeiro ano e
seis educadores da escola básica Sandy Hook em Newtown,
Connecticut.
O ataque a tiros mais mortal em uma escola na história dos
EUA foi em Virginia Tech, em 2007, quando 32 pessoas foram
mortas.
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 22237141))
REUTERS MCP AC PF


Assuntos desta notícia