Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Jeff Mason e David Brunnstrom
WASHINGTON, 10 Mar (Reuters) – O presidente dos Estados
Unidos, Donald Trump, disse neste sábado que a Coreia do Norte
concordou em não conduzir mais testes de mísseis antes da
reunião proposta pelo seu líder, Kim Jong Un, enquanto tenta
reunir apoio internacional para uma potencial cúpula.
"A Coreia do Norte não conduz um teste de míssil desde 28 de
novembro de 2017 e prometeu não fazer mais durante as nossas
reuniões. Eu acredito que eles vão honrar o compromisso",
escreveu Trump no Twitter.
Os comentários de Trump estão alinhados com o que um oficial
da Coreia do Sul havia dito na quinta-feira sobre as possíveis
conversas. Trump, porém, não mencionou testes nucleares em seu
tuíte.
Ainda não está claro a quais reuniões Trump está se
referindo, ou o cronograma exato. Autoridades da Coreia do Sul
disseram nesta semana que Trump aceitou um convite de Kim para
se encontrarem em maio.
A Casa Branca está sendo criticada por concordar em
conversar e respondeu, na sexta-feira, alertando que não haveria
nenhuma cúpula se Pyongyang não tomasse "ações concretas" sobre
o seu programa nuclear.
Trump também foi ao Twitter no sábado para caracterizar os
líderes da China como entusiastas do possível diálogo, sem
esclarecer o cronograma das conversas ou as pré-condições
exigidas.
"O presidente Xi me disse que aprecia que os Estados Unidos
estejam trabalhando para resolver o problema diplomaticamente em
vez de apelar à ameaçadora alternativa", escreveu Trump no
Twitter, em referência ao presidente chinês Xi Jinping. "A China
continua ajudando!".
Trump também tuitou neste sábado: "Conversei com o
primeiro-ministro Abe, do Japão, que está muito empolgado com as
conversas com a Coreia do Norte. Também discutimos abrir o Japão
para um comércio muito melhor com os Estados Unidos. Atualmente,
temos um déficit comercial de 100 bilhões de dólares. Não é
justo ou sustentável. Tudo vai dar certo", escreveu Trump.
No fim da sexta-feira, Trump escreveu que um acordo com a
Coreia do Norte estava "muito em andamento e será, se
completado, muito bom para o mundo. O momento e o local serão
determinados".
As mensagens no Twitter foram publicadas depois de uma
entrevista coletiva da secretária de imprensa da Casa Branca,
Sarah Sanders, na sexta-feira, em que ela disse que Trump não se
reuniria com Kim Jong Un sem "ver passos concretos e ações
concretas da Coreia do Norte, para que o presidente realmente
conseguisse alguma coisa".
Kim convidou Trump para o que seriam discussões sem
precedentes entre os líderes das duas nações.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759))
REUTERS ES


Assuntos desta notícia