Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu nesta quarta-feira o segundo voto a favor de restringir o alcance do foro privilegiado de parlamentares para quaisquer crimes cometidos após a diplomação do mandato, mesmo aqueles sem qualquer ligação com a função do deputado federal ou senador.

Toffoli votou na mesma linha do ministro Alexandre de Moraes, para deixar no Supremo investigações sobre quaisquer crimes cometidos por parlamentares após a diplomação do mandato, mesmo aqueles sem ligação com a função do congressista.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Até agora, todos os votos foram no sentido de restringir o foro –outros 7, contudo, concordam que o STF julgue apenas processos sobre crimes cometidos por deputados e senadores no exercício do mandato e por fatos relacionados à função que desempenha, na linha do voto do relator da ação, Luís Roberto Barroso.

Na retomada do julgamento na tarde desta quarta-feira, Toffoli afirmou que a Constituição não distingue sobre crimes cometidos antes e depois da diplomação do mandato dos parlamentares.

Toffoli considerou "bastante discutível" a linha do voto de Barroso e disse que há uma margem de "subjetividade do intérprete". Segundo ele, esse debate vai fazer o Supremo continuar a se pronunciar sobre a prerrogativa de foro.

(Reportagem de Ricardo Brito)
2018-05-02T202430Z_1_LYNXMPEE411PU_RTROPTP_1_POLITICA-TOFFOLI-FORO.JPG urn:newsml:onlinereport.com:20180502:nRTROPT20180502202430LYNXMPEE411PU Ministro Dias Toffoli durante sessão do STF OLBRTOPNEWS Reuters Brazil Online Report Top News 20180502T202430+0000 20180502T202430+0000


Assuntos desta notícia