Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

O presidente da República, Michel Temer, chegou no início da tarde desta terça-feira (6h30 da manhã, no horário de Brasília) a Moscou, na Rússia. O presidente realizará visita oficial ao país nesta terça (20) e quarta-feira (21), com encontros com o presidente Vladimir Putin, o primeiro-ministro Dmitry Medvedev e os presidentes da Assembleia Federal da Rússia, Valentina Matvienko e Vyacheslav Volodin.

A visita ocorre a convite de Putin e marca a retomada da agenda de alto nível entre os dois países. O encontro entre os dois presidentes, no dia 21, constituirá ocasião para discutir o aprofundamento da parceria estratégica bilateral, estabelecida em 2002. Os mandatários examinarão meios de reforçar o relacionamento econômico-comercial e de avançar na cooperação em ciência e tecnologia.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

No encontro, deverão ser tratados, também, temas da agenda global. A Rússia é um importante parceiro do Brasil na esfera bilateral, bem como no âmbito da Organização das Nações Unidas, do G20 e do Brics.

Ao final da reunião, deverão ser firmados atos bilaterais para avançar iniciativas de mútua importância nas áreas de promoção de investimentos, facilitação do comércio, agilização de trâmites alfandegários, incentivo à coprodução cinematográfica, adensamento do diálogo político, dentre outros.

No dia 20, o presidente Michel Temer participará de encontro com investidores russos, em que apresentará a agenda de reformas e oportunidades de investimentos no Brasil.

A Rússia é um dos principais destinos das exportações de produtos agropecuários brasileiros, e os países têm a meta de elevar o intercâmbio bilateral ao patamar de US$ 10 bilhões anuais. O comércio bilateral somou US$ 4,3 bilhões no ano passado. Entre janeiro e maio de 2017, cresceu 42% em comparação ao mesmo período de 2016, atingindo US$ 2,1 bilhões.

De acordo com o Palácio do Planalto, a agenda será voltada à captação de investimentos na área de energia. Temer também deverá explorar possibilidades em empreendimentos de ferrovias, portos e outras áreas de infraestrutura. Está prevista a assinatura de acordos bilaterais em setores como promoção de comércio e investimentos, intercâmbio cultural e consultas políticas.

O mercado agropecuário também deverá estar na pauta. Em 2016, o Brasil foi responsável por 60% das importações de carne da Rússia. A intenção é ampliar o acesso de produtos agropecuários e diversificar as exportações.

A Rússia é um dos principais destinos das exportações de produtos agropecuários brasileiros. A expectativa é de que, nas reuniões, o Brasil e a Rússia elevem o intercâmbio ao patamar de US$ 10 bilhões anuais. Em 2016, o comércio bilateral somou US$ 4,3 bilhões. Entre janeiro e maio de 2017, os dois países já comercializaram US$ 2,1 bilhões, valor 42% maior que o registrado no mesmo período de 2016.

Noruega

Na Noruega, o foco será o meio ambiente. O país já repassou ao Fundo Amazônia, administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), R$ 2,8 bilhões, e mantém-se como o maior financiador da iniciativa. Atualmente, são 89 projetos em áreas como combate ao desmatamento, regularização fundiária e gestão territorial e ambiental de terras indígenas. Além disso, a Noruega é o oitavo maior investidor estrangeiro no Brasil, com presença no setor de energia.

Estão agendadas reuniões com o rei Harald V, com a primeira-ministra Erna Solberg e com o presidente do Parlamento, Olemic Thommessen.

Mercosul

O Mercosul – bloco formado pela Argentina, o Brasil, Paraguai e Uruguai – também será tema das reuniões. O Brasil acaba de concluir a primeira rodada de negociações para um acordo entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio, da qual fazem parte, além da Noruega, a Islândia, o Liechtenstein e a Suíça. Segundo o porta-voz, na viagem Temer renovará o interesse do Brasil no acordo de livre comércio entre os blocos. Além disso, deverá tratar da aproximação entre o Mercosul e a União Econômica Eurasiática, integrada pela Rússia, Armênia, Belarus, o Cazaquistão e Quirguistão.


Assuntos desta notícia