Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

(Repete texto publicado na noite de quinta-feira)
14 Set (Reuters) – O procurador-geral da República, Rodrigo
Janot, afirmou nesta quinta-feira que os ataques que tem sofrido
são o custo de enfrentar um modelo político corrupto.
"Tenho sofrido nessa jornada, que não poucas vezes pareceu
inglória, toda sorte de ataques", disse Janot na última sessão
do Supremo Tribunal Federal (STF) que participou ainda à frente
da PGR. No domingo termina seu mandato.
"Resigno a meu destino, porque mesmo antes de começar sabia
exatamente que haveria um custo por enfrentar esse modelo
político corrupto e produtor de corrupção cimentado por anos de
impunidade e de descaso", acrescentou.
Janot apresentou nesta quinta-feira uma nova denúncia contra
o presidente Michel Temer, desta vez acusando o peemedebista de
obstrução da Justiça e de ter atuado como líder de organização
criminosa.
"As páginas da história hão certamente de contar com isenção
e verdade o lado que cada um escolheu para travar sua batalha
pessoal nesse processo", disse Janot no plenário do Supremo.
Após suas declarações, a presidente do STF, Cármen Lúcia,
agradeceu o trabalho feito pelo procurador-geral e disse que o
Ministério Público continuará fazendo o trabalho que lhe cabe.
"O Ministério Público, continuará, tenho certeza, a cumprir
a missão que é tão importante que foi entregue pela Constituição
de 1988 de uma forma muito especial", disse Cármen Lúcia.
"Nós do Poder Judiciário, somos honrados com o Ministério
Público que muito honra o Brasil, honrou com a presença de vossa
excelência e certamente com os que virão depois", acrescentou.

(Por Alexandre Caverni, em São Paulo; Edição de Tatiana Ramil)
(([email protected]; 55-11-56447702; Reuters
Messaging: [email protected]))

Profitchart Pro 300×250

Assuntos desta notícia

Join the Conversation