Clicky

MetaTrader 728×90

(Repete texto publicado na noite de quarta-feira)
BRASÍLIA, 13 Jun (Reuters) – O pré-candidato do PSL à
Presidência da República, deputado Jair Bolsonaro (RJ), disse
nesta quarta-feira que, se eleito, vai partir para o
"liberalismo" como saída para a melhora da economia brasileira e
destacou que terá uma base parlamentar de 300 deputados, só não
querendo contar com partidos que ele considera de
"extrema-esquerda", como PT e PSOL.
"O caminho para o Brasil buscar uma saída na parte econômica
é partir para o liberalismo", disse o deputado, em entrevista ao
jornal Gazeta do Povo, do Paraná.
O presideniciável afirmou que é preciso avaliar o papel de
empresas estratégicas, se devem ser privatizadas ou não. Ele
disse, entretanto, já ter se reunido com a bancada ruralista e
dito o país não pode "abrir mão" da segurança alimentar caso
permita a venda de terras brasileiras para estrangeiros.
Líder nas pesquisas de intenção de voto ao Palácio do
Planalto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da
Silva, Bolsonaro afirmou que vai defender uma agenda de
desburocratização e desregulamentação da economia. Ele chegou
até a defender, sem dar detalhes, uma "nova mexida" na CLT para
estimular a geração de empregos.
Em seu sétimo mandato na Câmara, o pré-candidato do PSL
afirmou que pretende ter uma "superbancada" independente.
Segundo ele, já conta com o apoio de 60 deputados, mas disse que
poderá garantir votos de cerca de 300 deputados na Câmara sem
precisar de se valer da tradicional política do toma lá, da cá.
"A gente vai ter uns 300 aqui que não serão picaretas como
disse o Lula no passado, muito pelo contrário", disse. "Acredito
(que teremos todo esse apoio), você tem que ter uma bancada
grande aqui até para aprovar emenda a constitucional."
Questionado sobre a barganha de recursos do Congresso com o
Executivo, o pré-candidato disse que os deputados "sabem que não
dá para agir desta forma, que o Brasil vai quebrar e quebrando
todo mundo vai sofrer".

MILITARES
Capitão da reserva, Bolsonaro afirmou que, na composição do
seu ministério, um terço das pastas ficará nas mãos dos
militares. Ele disse que a possibilidade de corrupção de pessoas
vinda das Forças Armadas é menor.
"O risco é menor, nao é risco zero", disse, ao justificar
que esse é seu círculo de amizades. Ele ressalvou, no entanto,
que as escolhas dos ministros será por serem competentes.
O deputado afirmou que o país não teve uma ditadura militar
no período de 1964 e 1985, disse que foi um momento "muito bom"
para a população e que os parlamentares, naquela época, tinham
prestígio com os militares.
Na semana passada, em entrevista à Reuters, o deputado Onyx
Lorenzoni (DEM-RS), um dos coordenadores da pré-campanha de
Bolsonaro, disse que número de ministérios, em caso de vitória,
seria cortado pela metade.

MetaTrader 300×250

CASO MARIELLE
Bolsonaro disse que a morte da vereadora Marielle Franco
(PSOL-RJ), que ocorreu há três meses, deverá ser mais um sem
solução. Para ele, no momento, não há evidências da participação
de policiais no assassinato.
"Não justifica a onda toda dizendo que foi um policial",
disse, ao citar a morte dela é como a de um "cidadão qualquer" e
que todo dia, no Brasil, morrem policiais.
O deputado disse que preferiu não se manifestar sobre o
assassinato de Marielle quando ocorreu porque qualquer coisa que
falasse na época poderia depor contra ele.
Na entrevista, Bolsonaro disse que preferia não comentar as
declarações de Ciro Gomes feitas na semana passada. Na ocasião,
o pré-candidato do PDT disse que era preciso extirpar o câncer,
numa referência a impedir a vitória do presidenciável do PSL.
"Não vou baixar o nível", disse, ao falar que Ciro tem de
continuar a jornada dele.

(Por Ricardo Brito
Edição de Alexandre Caverni)
(([email protected];))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation