Clicky

MetaTrader 728×90

A mais nova ordem executiva assinada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, estimula a compra de produtos nacionais e a contratação de norte-americanos. Chamada de “Buy American, Hire American” (tradução compre produtos americanos, contrate americanos), a ordem executiva segue a linha nacionalista adotada por Trump durante a campanha e ordena que as agências governamentais reavaliem acordos comerciais de livre comércio que estejam prejudicando a indústria nacional.

Além disso, o texto, assinado nesta terça-feira (18), determina que os programas de concessão de vistos de trabalho temporário, como o visto H1B para estrangeiros, sejam revistos.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

“Para comprar e contratar americanos eu assino esta ordem que vai proteger trabalhadores e estudantes, como vocês”, afirmou Trump dirigindo-se a trabalhadores de uma fábrica no estado de Wisconsin.

Na linha de “a América em primeiro lugar”, Donald Trump disse que a partir da ordem assinada as agências federais terão de revisar os procedimentos, tanto em negociações comerciais, como na contratação temporária de estrangeiros.

O objetivo é proteger determinados produtos no mercado norte-americano. Na visão de Trump, os acordos comerciais prejudicaram a indústria nacional, provocando o fechamento de fábricas e a diminuição dos salários dos trabalhadores devido à entrada de produtos importados mais baratos. Esta retórica foi uma das mais contundentes durante a campanha de Donald Trump.

Trump disse que a ordem vai promover de maneira “agressiva” a fabricação e o comércio nacionais, além de garantir que os norte-americanos sejam contratados primordialmente, antes de um estrangeiro.

Ao discursar, o presidente criticou a Organização Mundial do Comércio (OMS). “É um dos nossos desastres”, disse. E voltou a desqualificar o chamado Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, sigla em inglês). “O Nafta é um desastre completo”.

Trabalho temporário

A concessão de vistos temporários de trabalho até então vinha sendo realizada anualmente com um volume de até 85 mil vistos por ano.

Críticos do governo Trump afirmam que a mão-de-obra estrangeira contratada por meio dos vistos temporários de trabalho não necessariamente competem ou impedem norte-americanos de conseguirem um emprego.

Em geral, os profissionais estrangeiros contratados têm alto nível de escolaridade e habilidades específicas que as empresas alegam estar em falta no mercado nacional. Profissionais das áreas de saúde, informática e tecnologia são os mais requisitados.

Entretanto, Trump defende que a revisão do programa é necessária, porque algumas empresas usavam a prerrogativa, para contratar profissionais estrangeiros com salários mais baixos que poderiam pagar a um profissional altamente qualificado norte-americano.

As informações são da Ag. Brasil


Assuntos desta notícia