Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

BRASÍLIA, 9 Out (Reuters) – O Ministério Público Federal em
Brasília abriu um procedimento para apurar se houve um
descumprimento dos termos do acordo de leniência firmado entre a
instituição e o grupo J&F, informou a assessoria de imprensa do
órgão nesta segunda-feira.
A investigação tem prazo de validade de um ano e vai correr
sob sigilo e poderá culminar com providências como a manutenção
do acordo, um eventual aditamento aos termos dele ou até mesmo a
sua rescisão completa.
Segundo o despacho de instauração da apuração, o
procedimento é justificado em razão de fatos que ocorreram na
delação premiada de executivos do grupo.
São citados o pedido de rescisão do acordo de colaboração da
Procuradoria-Geral da República por suposta omissão de
informações que levaram à prisão de Joesley Batista e Ricardo
Saud. Outro fato relatado é a suspeita de uso de informação
privilegiada, que também culminou em decretos de prisão contra
Joesley e seu irmão Wesley Batista. Por último, o despacho
menciona novos áudios gravados por delatores do grupo que foram
tornados públicos também com suspeita de ocultação de
informações.
De acordo com o comunicado da assessoria, essas suspeitas
podem gerar consequências para a leniência do grupo. Conforme a
cláusula 36 do acordo, o MPF pode rescindi-lo caso a colaboração
premiada firmada pelos executivos da J&F seja anulada pelo
Supremo Tribunal Federal (STF). No momento, as delações de
Joesley e Batista estão sob o crivo do Supremo.

(Edição de Maria Pia Palermo)
(([email protected]; +55 21 5644-7505;
Reuters Messaging:
[email protected]))

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Assuntos desta notícia