Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

WASHINGTON, 7 Out (Reuters) – Os Estados Unidos derrubaram
na sexta-feira velhas sanções impostas ao Sudão, alegando
avanços na luta do país contra o terrorismo e melhores condições
humanitárias, e também conseguiu um compromisso do governo de
Cartum de que não fará um acordo de armas com a Coreia do Norte.
Em uma medida que completa um processo iniciado pelo
presidente anterior, Barack Obama, e que sofreu oposição de
grupos de defesa dos direitos humanos, o presidente Donald Trump
derrubou um embargo comercial e outras sanções que separavam a
nação africana do sistema financeiro internacional.
A decisão dos EUA é uma reviravolta para o governo do
presidente sudanês, Omar Hassan al-Bashir, que já abrigou Osama
bin Laden e está na lista de procurados da Corte Penal
Internacional pela acusação de ter orquestrado o genocídio em
Darfur.
Apesar do fim das sanções, o Sudão permanecerá na lista
norte-americana de países que patrocinam o terrorismo – ao lado
do Irã e da Síria -, o que veta o comércio de armas e restringe
a ajuda dada pelos EUA, disseram autoridades norte-americanas.
Autoridades sudanesas permanecem como objeto de sanções da
Organização das Nações Unidas (ONU) pela violação de direitos
humanos durante o conflito de Darfur, disseram autoridades sob
condição de anonimato.
O fim das sanções dos EUA reflete a avaliação de que o Sudão
progrediu no cumprimento das exigências de Washington, incluindo
cooperação contra o terrorismo, e trabalhou para resolver
conflitos internos e permitir que maior ajuda humanitária chegue
a Darfur e a fronteiras de regiões rebeldes, disseram
autoridades.
Além disso, a administração de Trump garantiu um compromisso
de que o Sudão "não buscará acordos sobre armas" com a Coreia do
Norte, com Washington aplicando "tolerância zero" para garantir
o cumprimento dessa promessa, disse uma das autoridades.
(Reportagem de Matt Spetalnick em Washington; Reportagem
adicional de Mohammad Zargham em Washington, Khaled Abdelaziz em
Cartum e Mostafa Hashem no Cairo)
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765))
REUTERS JRG DS


Assuntos desta notícia