Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

WASHINGTON/SEUL, 3 Mai (Reuters) – O governo dos Estados
Unidos está analisando relatos de que três norte-americanos
detidos na Coreia do Norte foram transferidos de um campo de
trabalho para um hotel próximo de Pyongyang antes de uma cúpula
planejada entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder
norte-coreano, Kim Jong Un, disse uma autoridade norte-americana
na quarta-feira.
Falando sob condição de anonimato, a autoridade disse não
haver confirmação imediata de qualquer mudança na situação dos
detidos. Autoridades do governo Trump pressionaram por sua
libertação como um gesto de boa-vontade da Coreia do Norte antes
da reunião inédita entre os dois países, que deve ocorrer no
final de maio ou início de junho.
"Como todos estão cientes, o governo anterior passou muito
tempo pedindo que os três reféns fossem libertados do campo de
trabalho norte-coreano, mas sem sucesso. Fiquem ligados!",
tuitou Trump na noite de quarta-feira.
Em uma reportagem desta quinta-feira, a emissora CNN citou
uma fonte não identificada segundo a qual a libertação dos três
homens é iminente, acrescentando que a preparação da
transferência ocorreu dois meses atrás, quando o ministro das
Relações Exteriores norte-coreano viajou à Suécia e propôs a
ideia.
Reportagens de quarta-feira da mídia da Coreia do Sul
citaram um ativista sul-coreano segundo o qual a Coreia do Norte
transferiu os três norte-americanos de um campo de trabalho para
um hotel nos arredores da capital.
O ativista em questão, Choi Soung-yong, disse à Reuters que
Kim Hak-song, Tony Kim e Kim Dong-chul foram realocados no
início de abril seguindo instruções de autoridades superiores,
citando moradores de Pyongyang.
Os EUA e a Coreia do Norte "parecem ter decidido uma data
para libertar estas pessoas", disse Choi. "A Coreia do Norte
provavelmente quer resolver seus assuntos; reabilitá-los".
O ativista acrescentou que os três estão sendo mantidos em
quartos separados no mesmo hotel e que não sabe o que aconteceu
com eles desde que foram transferidos.
"Não podemos confirmar a validade destas reportagens", disse
uma porta-voz do Departamento de Estado dos EUA. "O bem-estar e
a segurança de cidadãos dos EUA no exterior é uma das maiores
prioridades do Departamento de Estado. Estamos trabalhando para
fazer com que os cidadãos dos EUA que estão detidos na Coreia do
Norte voltem para casa o mais cedo possível".
(Por Matt Spetalnick, Susan Heavey, David Brunnstrom e Eric
Walsh em Washington, Jon Herskovitz em Austin, Texas e Christine
Kim em Seul)
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia