Clicky

MetaTrader 728×90

Por James Mackenzie
CABUL, 30 Abr (Reuters) – Uma dupla explosão em Cabul,
capital do Afeganistão, matou pelo menos 25 pessoas nesta
segunda-feira, incluindo oito jornalistas que foram ao local
para relatar sobre a primeira detonação e aparentemente foram
atacados por um homem-bomba, disseram autoridades.
Várias horas depois, um suicida em um veículo atacou forças
militares estrangeiras na província de Kandahar, no sul do país,
matando 11 crianças que estudavam em uma escola religiosa
próxima, disse a polícia.
O Comitê de Segurança dos Jornalistas Afegãos (AFJSC, na
sigla em inglês) disse que oito jornalistas foram mortos em
Cabul, o maior número de vítimas entre trabalhadores da mídia em
um único ataque no país.
O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelas duas
explosões na capital, que, segundo o oficial da polícia de Cabul
Hashmat Stanakzai, matou 25 pessoas e deixou 49 gravemente
feridas.
Os ataques ocorreram uma semana depois que 60 pessoas foram
mortas enquanto esperavam em um centro de registro de eleitores
no oeste de Cabul, reforçando a situação de insegurança na
capital apesar das repetidas promessas oficiais de reforçar a
proteção.
Os jornalistas, incluindo uma mulher, eram todos afegãos e
foram mortos na segunda explosão em Cabul enquanto esperavam em
um cordão de segurança a várias centenas de metros de distância
do local do primeiro ataque.
A segunda explosão ocorreu cerca de meia hora depois da
primeira.
Entre os jornalistas mortos, sete eram de veículos afegãos:
dois repórteres da TV Mashal, um cinegrafista e um repórter que
trabalhavam para a 1TV, dois repórteres da Rádio Azadi e um da
Tolo News, segundo o AFJSC.
A agência de notícias francesa Agence France-Presse disse
que seu principal fotógrafo no Afeganistão, Shah Marai, foi
morto no ataque.
Pelo menos cinco jornalistas também ficaram feridos. Um
fotógrafo da Reuters ficou levemente ferido por estilhaços.
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia