Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Josh Smith e John Walcott
SEUL/WASHINGTON, 4 Jun (Reuters) – Os três militares mais
graduados da Coreia do Norte foram afastados de seus cargos,
disse uma autoridade de alto escalão dos Estados Unidos, uma
medida que, segundo analistas, pode ajudar os esforços do líder
norte-coreano, Kim Jong Un, para reativar o desenvolvimento
econômico e interagir com o mundo.
Kim está se preparando para uma cúpula com o presidente dos
EUA, Donald Trump, em Cingapura, em 12 de junho, o primeiro
encontro do tipo entre um líder do regime e um presidente
norte-americano no exercício do cargo.
Uma autoridade dos EUA, que falou no domingo sob condição de
anonimato, confirmou uma reportagem da agência de notícias
sul-coreana Yonhap segundo a qual os três militares mais
graduados da Coreia do Norte foram substituídos.
A motivação de Kim ainda não é clara, mas analistas disseram
que a reformulação permite a ele e ao partido governista
endurecer o controle sobre o Exército do Povo Coreano em um
momento crítico de engajamento internacional e desenvolvimento
doméstico.
"Se Kim Jong Un estiver determinado a fazer as pazes com os
EUA e a Coreia do Sul e abdicar pelo menos de parte do programa
nuclear, terá que colocar a influência do Exército do Povo
Coreano em uma caixa e mantê-la ali", disse Ken Gause, diretor
do Grupo de Assuntos Internacionais da CNA, uma organização de
pesquisa e análise sem fins lucrativos.
"Essa reformulação trouxe ao primeiro plano as autoridades
capazes de fazer exatamente isso. Elas são leais a Kim Jong Un e
ninguém mais".
Trump ressuscitou na sexta-feira a cúpula de Cingapura, que
havia cancelado uma semana antes.
Washington está buscando um fim negociado para o programa de
armas nucleares norte-coreano, e autoridades dos EUA acreditam
ter surgido alguma discórdia entre os militares a respeito das
abordagens de Kim para Seul e os EUA.
Trump quer que a Coreia do Norte se "desnuclearize",
livrando-se de seu arsenal nuclear, em troca da suspensão das
sanções econômicas. Acredita-se que a liderança de Pyongyang vê
o arsenal como crucial para sua sobrevivência, enquanto Kim
disse que planeja se concentrar no desenvolvimento econômico.
Citando uma fonte de inteligência oficial, a Yonhap disse
que No Kwang Chol, primeiro vice-ministro das Forças Armadas do
Povo, substituiu Pak Yong Sik como chefe da Defesa, e Ri Myong
Su foi substituído por seu vice, Ri Yong Gil.
A mídia estatal norte-coreana já havia confirmado que o
general do Exército Kim Su Gil havia substituído Kim Jong Gak
como diretor do Escritório Político Geral do KPA.
(Reportagem adicional de Christine Kim, Haejin Choi e Joyce
Lee, em Seul)
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia