Clicky

MetaTrader 728×90

Por Kate Holton
LONDRES, 16 Set (Reuters) – A polícia britânica prendeu
neste sábado um homem de 18 anos no porto de Dover, ao sul,
enquanto caça os culpados pelo bombardeio a um trem de Londres
que feriu 30 pessoas na véspera.
A primeira-ministra Theresa May colocou o Reino Unido no
nível mais alto de segurança na sexta-feira, o que significa que
um ataque pode ser iminente, e moveu soldados e polícia armada
para segurar locais estratégicos e caçar os culpado.
No quinto ataque terrorista no Reino Unido deste ano, a
bomba caseira disparou chamas em um trem lotado no horário de
rush na manhã de sexta-feira, no oeste de Londres, mas
aparentemente falhou em ser totalmente detonada.
Na explosão alguns sofreram queimaduras e outros ficaram
feridos durante a corrida para escapar da estação, uma das
paradas não subterrâneas da rede. Autoridades de saúde afirmaram
que ninguém estava em condição grave.
O Estado Islâmico reivindicou responsabilidade pelo ataque.
"Realizamos uma prisão significativa em nossa investigação
nesta manhã", disse Neil Basu, Coordenador Nacional Sênior para
a Política de Contra-Terrorismo.
"Esta prisão levará a mais atividades de nossos oficiais",
disse ele, sugerindo que poderiam haver mais prisões e invasões
domiciliares. "Por razões investigativas, não daremos mais
detalhes sobre o homem que prendemos agora."
A prisão foi feita na área portuária de Dover, onde balsas
de passageiros vão até a França.
Segundo reportagens da mídia, a bomba foi presa a um timer,
diferente das últimas explosões, que foram bombas suicidas.
Fotos mostraram um balde de plástico branco ligeiramente
carbonizado com fios saindo do topo em uma bolsa de compras de
supermercado no chão de um carro de trem.
A estação Parsons Green, onde o ataque ocorreu, já havia
sido reaberta na manhã deste sábado.
A polícia armada patrulhava as ruas de Londres perto dos
departamentos governamentais de Westminster e era esperada para
fazer a segurança dos locais de partida da Premier League neste
sábado, incluindo o estádio nacional de Wembley.
A última vez que o Reino Unido foi colocado em alerta
"crítico" foi após um homem bomba matar 22 pessoas, incluindo
crianças, no show de Ariana Grande, em Manchester, em maio.
O nível de ameaça continua o mais alto por quatro dias,
enquanto autoridades correm para estabelecer se o homem
trabalhou sozinho ou com ajuda de outros. Antes disso, o alerta
não havia sido acionado desde 2007.
((Tradução Redação São Paulo; + 55 11 5644-7712))
REUTERS AAP