Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Andreas Rinke e Michelle Martin
BERLIM, 26 Jan (Reuters) – Negociadores que discutem um novo
acordo de coalizão entre os conservadores da chanceler Angela
Merkel e o Partido Social-Democrata (SPD) buscam encerrar
conversas até o próximo fim de semana, em um sinal de que o
limbo político de meses na Alemanha pode estar se aproximando de
um fim.
Em um comunicado conjunto feito após a primeira manhã de
conversas formais de coalizão, nesta sexta-feira, os partidos
disseram que grupos especializados irão buscar montar um
programa concreto de governo para a maior economia da Europa
dentro de sete dias.
"De sexta-feira a domingo (próxima semana), negociadores
seniores irão se encontrar com o objetivo de finalizar as
negociações", disseram, acrescentando que estão abrindo espaço
para dois dias adicionais de conversas altamente delicadas em
caso de atrasos no calendário.
Os conservadores da chanceler da Alemanha, Angela Merkel,
iniciaram conversas de coalizão com os parceiros do SPD nesta
sexta-feira, prometendo progressos rápidos nas negociações com o
objetivo de acabar com quatro meses de indefinição política no
país.
Quatro meses após uma eleição nacional que resultou em um
Parlamento fragmentado, o cronograma apertado é um indício de
que partidos estão ansiosos para dar um fim ao período sem rumo
que críticos dizem ter fortalecido a extrema-direita.
"As pessoas esperam que nós sigamos em direção a formar um
governo e é por isto que estou muito otimista e muito
determinada", disse Merkel na chegada para as conversações desta
sexta-feira.
As conversas são a melhor esperança de Merkel para assegurar
um quarto mandato, após fracassar em uma tentativa anterior de
formar uma outra coalizão.
Embora a maior parte dos especialistas acredite que as
conversas serão bem-sucedidas, muitos do SPD estão relutantes,
vendo uma coalizão repetida como no máximo um sacrifício
doloroso do partido em nome da estabilidade do gigante econômico
e político da Europa.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702))
REUTERS AC


Assuntos desta notícia