Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

NOVA YORK, 14 Jun (Reuters) – A Procuradoria-Geral de Nova
York moveu uma ação nesta quinta-feira contra o presidente dos
Estados Unidos, Donald Trump, e a sua fundação homônima, dizendo
que a entidade sem fins lucrativos deve ser liquidada após mais
de uma década de condutas ilegais, incluindo apoio à campanha
presidencial de Trump em 2016.
Barbara Underwood, a procuradora-geral, acusou a Fundação
Donald J. Trump e seus diretores de conduzirem "extensa
coordenação política ilegal" com a campanha, e "repetitivo e
intencional self-dealing (autocontratação)" para beneficiar os
interesses comerciais e pessoais de Trump.
"A Fundação Trump era pouco mais do que um talão de cheques
para pagamentos do sr. Trump ou seus negócios para
não-lucrativos, independentemente de seu propósito de
legalidade", disse Underwood em um comunicado. "Não é assim que
fundações privadas devem funcionar."
Não foi possível contatar a fundação imediatamente para
obter um comentário, mas Trump respondeu pelo Twitter, atacando
os "democratas sujos de Nova York".
"Os democratas sujos de Nova York e seus agora desonrado (e
fugido da cidade) procurador-geral Eric Schneiderman estão
fazendo tudo que podem para me processar em uma fundação que
recebeu 18.800.000 dólares e deu para caridade mais dinheiro que
recebeu, 19.200.000. Eu não vou aceitar um acordo", escreveu
Trump no Twitter.
Os filhos de Trump também foram acusados na ação da
Procuradoria-Geral, apresentada à Suprema Corte do Estado de
Nova York, em Manhattan.
Nova York também busca uma restituição de 2,8 milhões de
dólares mais penalidades, uma suspensão de 10 anos proibindo
Trump de ser diretor de uma entidade sem fins lucrativos de Nova
York e suspensões de um ano para seus filhos Donald Jr., Eric e
Ivanka.
(Reportagem de Jonathan Stempel)
(Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765))
REUTERS LM AC


Assuntos desta notícia

Join the Conversation