Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários globais na manhã desta quinta-feira (17).

Os mercados acionários devem as compras, em dia de agenda global fraca. As atenções devem ficar para os preços do petróleo, com o Brent cotado acima dos US$80,00 o barril, bem como as demais commodities.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

ÁSIA – Ao final, o índice Asia Dow ficou em queda de 0,49% a 3.599. O Hang Seng, Hong Kong, ficou em queda de 0,54% aos 30.942. O Xangai Composite ficou em queda de 0,48% aos 3.154. O índice FTSE Straits, Cingapura, ficou em alta de 0,11% aos 3.536. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,67% aos 35.149. O índice Kospi, bolsa da Coreia do Sul, ficou em queda de 0,46% a 2.448. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,53% a 22.838. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,21% a 6.094. Na Ásia, mercados de ações ficaram sem direção, com notícias corporativas e dúvidas sobre a realização ou não do encontro entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte. Ainda no radar ficou o resultado das conversações entre China e Estados Unidos e as divergências comerciais. O índice MSCI Asia Pacific teve avanço de 0,30% no pregão de hoje. No mercado de moedas, o dólar avançou a 110,68 ienes de 110,32 ienes no fim da tarde de ontem.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em alta de 0,24% a 394.16, em Londres; o FTSE-MIB (Milão) seguia em alta de 0,09% aos 23.755; o Ibex 35 (Madri) segue em alta de 0,68% aos 10.180; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em alta de 0,27% aos 13.032; o FTSE-100 (Londres) está em alta 0,22% a 7.750; o CAC 40 (Paris) seguia em alta de 0,51% aos 5.595; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em alta de 0,53%  a 5.725. Na Europa os índices acionários estão no azul, com ruídos de que o Reino Unido pode permanecer na União Alfandegária europeia além de 2021 está mexendo com a libra que avança ante ao dólar. O euro troca de mãos a US$ 1,1817 de US$ 1,1802 no final da tarde de ontem.

ESTADOS UNIDOS – O S&P (futuros) opera em queda de 0,21% aos 2.717. O Dow Jones (futuros) opera em queda de 0,14% aos 24.705. O Nasdaq (futuros) estava em queda de 0,48% aos 6.904.  No pré-mercado da bolsa de Nova York, os principais índices  de ações operam em queda moderada. O juro pago pelo T-Bond de 10 anos encontra-se em 3,107% ao ano de 3,096% de ontem à tarde. O índice DXY, que acompanha o valor do dólar diante de uma cesta de moedas fortes, encontra-se flutuando em torno do patamar de 93,40, o mais alto nível desde o final do ano passado. Os indicadores e a fala de membros do Fed podem pesar no desempenho do mercado aberto.

Commodities

O petróleo referência, Brent, segue em alta na bolsa de Futuros de Londres a 2,03% cotado a US$80,81 o barril.

O petróleo WTI segue em alta de 0,81%, cotado a US$ 72,07 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,79% a US$67,49 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1.170,00, alta de 0,98%, a tonelada. A celulose fibra curta fechou em US$1.049,80 a tonelada, alta de 0,16%.

CENÁRIO INTERNO

BRASIL – A bolsa de valores de São Paulo devem manter a volatilidade e com os investidores digerindo ainda o comunicado do Banco Central do Brasil na divulgação da taxa de juros, a Selic. O Copom manteve a Selic em 6,50% ao ano, contrariando a esmagadora maioria do mercado que, confiando na sinalização do BC, apostava em redução da Selic para 6,25%. A medida do BCB mexeu com o dólar comercial que abriu e opera em queda a R$3,672, queda de 0,16%. Os números do emprego apresentado hoje pela pesquisa PNAD Contínua para o primeiro trimestre de 2018 também devem ficara no radar.

AGENDA – Quinta-feira

No Brasil, o IPC, PNAD Contínua Trimestral e IPC-S. Nos Estados Unidos, os Pedidos de Seguro Desemprego, Sondagem Industtrial, Indicadores Antecedentes e discursos do Fed. Na Europa, a Balança Comercial da Itália. No Japão, foi apresentada as Ordens de Máquinas. Na Austrália, a Taxa de Desemprego.


Assuntos desta notícia

Join the Conversation