Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

O Ibovespa fechou a semana em queda de 2,55%, mas ainda acumula alta de 19,98% no ano mesmo com a influência do quadro político. Já nesta sexta-feira, depois da escorregada forte do pregão anterior, os investidores partiram para as compras e atentos para as declarações de membros do governo e políticos de oposição sobre a reforma da Previdência.

Ainda pesou nesta sexta-feira, o cenário político dos Estados Unidos sem nenhuma decisão também sobre a reforma tributária do presidente Donald Trump no Senado norte-americano. Além disso, as declarações do ex-conselheiro de segurança de Trump, Michael Flynn, voltaram à tona. Hoje, ele se admitiu ter mentido no depoimento ao FBI sobre o envolvimento de Trump durante a campanha eleitoral com a Rússia e disse que estaria disposto a prestar novo testemunho.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Os preços do petróleo reagiram para cima, depois que a Opep e grandes produtores decidiram estender até o final de 2018 os atuais cortes de produção (redução de 1,8 milhão de barris dia).

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,41% aos 72.264 pontos. O giro financeiro ficou em R$7,7 bilhões. O IEE ficou em queda de 0,03%.

“Basicamente o mercado seguiu com o foco no cenário interno, com as declarações de membros do governo de que a reforma da Previdência poderá entrar em votação no primeiro turno no dia 12 e em segundo no dia 13. Se acontecer será bom para que o índice continue o rali. O presidente Temer deverá discutir este fim de semana com o governador Alckmin o desembarque do PSDB do governo, o que abriria para os políticos do centrão a possibilidade de assumir cargos. Já o lado externo também vem influenciando o comportamento da bolsa paulista. Hoje, por exemplo, os treasuries recuaram com as discussões sobre a reforma tributária dos republicanos, o que deve pesar nos índices inflacionários. Resta ficar atento para a decisão do Fed sobre as taxas de juros”, destacou o analista de investimentos da Corretora Magliano, Carlos Soares.

As ações com ganhos
Ecorodovias ON, alta de 4,82%; CCR ON, alta de 3,92%; Usiminas PNA, alta de 3,74%; Cemig PN, alta de 3,64%; e BR Malls ON, alta de 2,98%.

As ações com perdas
CPFL Energia ON, queda de 4,62%; Rumo ON, queda de 2,07%; Smiles ON, queda de 6,43%; Kroton ON, queda de 1,60%; e Taesa UNT, queda de 1,22%.

A Petrobras ON ficou em alta de 1% e a PN, alta de 1,50%.

A VALE ON ficou em alta de 0,97%.

Nesta sexta-feira, a B3 divulgou a primeira prévia do Índice Bovespa que vai vigorar de 02 de janeiro de 2018 a 04 de maio de 2018, com base no fechamento do pregão de ontem.

A prévia do Ibovespa registra a entrada de FLRY3 (FLEURY ON), IGTA3 (IGUATEMI ON) e MGLU3 (MAGAZ LUIZA ON), totalizando 64 ativos de 62 empresas.

Os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Itauunibanco PN (10,677%), Vale ON (8,450%), Bradesco PN (8,141%), AMBEV S/A ON (6,942%) e BMFBOVESPA ON (4,019%).

A B3 divulga regularmente três prévias das novas composições dos índices: a 1ª prévia, no primeiro pregão do último mês de vigência da carteira em vigor; a 2ª prévia, no pregão seguinte ao dia 15 do último mês de vigência da carteira em vigor e a 3ª prévia, no último pregão de vigência da carteira em vigor. A B3 também divulga as carteiras dos outros índices calculados. As alterações estão nos arquivos abaixo.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica, que passou a vigorar de 04 de setembro a 28 de dezembro no Ibovespa, mostra os cinco ativos com maior peso no índice: Itauunibanco PN (10,846%), Bradesco PN (8,485%), Ambev ON (7,039%), Petrobras PN (4,883%) e Vale ON (9,040%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em alta na bolsa de Futuros de Londres em 1,62% aos US$65,38 o barril.

O petróleo WTI ficou em alta de 1,59%, cotado a US$ 58,31 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em alta de 2,91% aos US$70,11 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$959,57, alta de 0,01%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$953,00 e alta de 0,45%, a tonelada.


Assuntos desta notícia

Join the Conversation