Clicky

MetaTrader 728×90

Os investidores dos mercados acionários globais mantiveram a aversão ao risco nesta terça-feira, com os dados de inflação dos Estados Unidos elevando as expectativas para a próxima reunião do Federal Reserve entre os dias 21 e 22 deste mês. A decisão de Donald Trump em demitir o Secretário de Estado, Rex Tillerson, também influenciou o humor dos investidores globais.

Na Ásia, antes mesmo dos números e de Tillerson, os investidores pegaram carona nos resultados do fechamento de ontem em Wall Street. Por lá, as ações de mineradoras puxaram o índice da Austrália para baixo. Já na China, medidas mais severas de órgãos reguladores puxaram também o índice principal para o vermelho.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Na Europa, o radar se voltou para os Estados Unidos. Além disso, as expectativas para o índice de inflação da Zona do Euro e os números do Reino Unido estão na pauta da semana, bem como a atenção para a decisão do banco central norte-americano.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump voltou a surpreender ao demitir um de seus principais aliados, o Secretário de Estado, Rex Tillerson. Rápido nas decisões, Trump já nomeou o diretor da CIA, Mike Pompeo.

Ainda hoje, o índice de preços ao consumidor, que avançou lentamente, ajudou a elevar a inflação anual em 1,7%. A próxima reunião do Fed já está promovendo apostas em Wall Street para as taxas de juros.

Por aqui, o dia foi confuso. Brasília voltou para as mesas de negociações na bolsa de valores paulista e o índice principal recuou. Os preços do petróleo recuaram e os Estados Unidos também ficaram no pano de fundo.

O Ibovespa caiu e o dólar comercial manteve a ligeira alta.

ÁSIA

As bolsas da Ásia fecharam com ganhos nesta terça-feira, com os investidores atentos os indicadores de inflação dos Estados Unidos, o que provavelmente dará alguma ideia sobre se o que pretende decidir o Federal Reserve sobre as taxas de juros.

Ao final, o índice Asia Dow ficou em alta de 0,09% a 3.692. O Hang Seng, Hong Kong, ficou em alta de 0,02% aos 31.601. O Xangai Composite ficou em queda de 0,49% aos 3.310. O índice Kospi, Coreia do Sul, ficou em alta de 0,42% aos 2.494 pontos. O índice FTSE Straits, Cingapura, ficou em alta de 1,57% aos 3.540. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 1,83% aos 33.917. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 1,65% a 21.824. O índice XJO, bolsa de Sidney ficou em queda de 0,36% aos 5.974.

Entre as ações que subiram estavam as da Tencent, alta de 0,6%.

Na China, as ações caíram com as notícias de que o país pretende unir órgãos reguladores bancários e de seguros.

O índice da Austrália caiu 0,4% com as ações das mineradoras e de petróleo. A BHP Billiton e a Rio Tinto caíram 0,8% e 2,0%, respectivamente, enquanto a Woodside caiu 0,3% com a nova queda nos preços do petróleo na segunda-feira.

EUROPA

Os investidores dos mercados acionários do Velho Continente simplesmente recuaram nas negociações de hoje. A cautela, como nos demais, fica agora para o Federal Reserve e a política monetária dos Estados Unidos. Pesa também a reunião, que começa no dia 21 e será a primeira no comando de Jerome Powell, a postura de como ele vai ligar com o fortalecimento econômico, com mais empregos e inflação avançando.

Ao final da jornada, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 0,98% aos 379.49, em Londres; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,32% aos 22.690; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,37% aos 9.691; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 1,59% aos 12.221; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 1,05% a 7.138; o CAC 40 (Paris) caiu 0,64% aos 5.242; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,23% aos 5.425.

Ainda influenciou o comportamento dos índices nesta terça-feira, os indicadores apresentados para a Zona do Euro e Reino Unido.

Nesta sessão, o euro voltou a ganhar força ante o dólar. Na Nyse, a moeda estava em alta de 0,51% a US$1,2403. A libra estava em alta de 0,53% a US$1.3984.

A força do euro pode pressionar as receitas para os exportadores europeus, porque torna os produtos e serviços mais caros para compradores estrangeiros. A força da libra esterlina pode gerar ganhos feitos por empresas multinacionais que pesam sobre o FTSE 100 (bolsa de Londres).

Nos Estados Unidos, para o mês de fevereiro, o índice de preços ao consumidor subiu 0,2%, combinando expectativas. Essa leitura agravou as preocupações de que o Fed aumentará as taxas de juros quatro vezes em 2018, em vez de três como esperado anteriormente. Isso implica um aumento nos custos de empréstimos para empresas em todo o mundo. Taxas de juros mais elevadas podem atrair investidores para a moeda de um país. A taxa de inflação anual dos Estados Unidos está em 1,7%.

Entre as ações com ganhos estavam as da E.ON SE, saltando 4,8%, com a empresa alemã afirmando que vai elevar o dividendo ante o lucro líquido anual em € 3,93 bilhões (US $ 4,85 bilhões), auxiliado pela taxa de imposto reduzida dos Estados Unidos. A E.ON também espera cortar cerca de 5 mil empregos na fusão com a Innogy SE, que assumirá o controle de ativos com a RWE AG.

As ações da gigante Antofagasta PLC subiram 2,7%, depois que o produtor de cobre registrou aumento quarto vezes maior no lucro líquido de 2017.

ESTADOS UNIDOS

A bolsa de Nova York fechou em queda nesta terça-feira, com os investidores analisando os números da inflação ao consumidor norte-americano para o mês de fevereiro. Pesou por lá também a demissão do Secretário de Estado da Casa Branca, Rex Tillerson. As ações de tecnologia e financeiras foram as mais penalizadas nas negociações de hoje.

Ao final, o S&P caiu 0,64% aos 2.765 pontos. O Dow Jones ficou em queda de 0,68% aos 25.007 pontos. O Nasdaq caiu 1,02% aos 7.511 pontos.

Puxaram o Dow Jones as ações da General Electric, queda de 0,07% , American Express Co, queda 2,35% e Microsoft Corp, queda de 0,13%.

As ações da Micron Technology Inc subiram 0,1%, depois da elevação de seu preço alvo para US $ 66.

As ações da Macy’s Inc subiram 3,69% e Kohl’s Corp, alta de 2,7%.

Os preços ao consumidor subiram moderadamente em fevereiro, embora a um ritmo ligeiramente mais lento do que no mês anterior. O IPC, que mede o que os americanos pagam por tudo, desde o shampoo até o hotel, aumentou 0,2% em fevereiro, depois de subir um 0,5% sazonalmente ajustado em janeiro, conforme mostrou o Departamento do Trabalho.

Nos Estados Unidos, a pesquisa de tendências econômicas de pequenas empresas mostrou que os proprietários estão confiantes. O número é recorde para fevereiro chegando a 107,6 em fevereiro, de acordo com o Inquérito às Tendências Econômicas das Pequenas Empresas da NFIB, divulgado hoje. Os números historicamente altos incluem um aumentando nos desembolsos de capital.

Em um sinal de que as pequenas empresas estão confiantes e esperam crescimento, uma rede de 22% dos proprietários está planejando aumentar a remuneração dos trabalhadores e 66% relataram desembolsos de capital, a partir de cinco pontos de janeiro e a maior leitura desde 2004.

Enquanto isso, os mercados também reagiram a nomeação do atual diretor da CIA, Mike Pompeo, como secretário de Estado para substituir Rex Tillerson.

BRASIL
O Ibovespa ficou de lado nesta terça-feira, com os investidores realizando um pouco e olhando com cautela para o cenário político interno.

Os preços das commodities caíram nos demais mercados e a Casa Branca voltou para o radar. Hoje o presidente dos Estados Unidos Donald Trump demitiu o Secretário de Estado, Rex Tillerson. Números da economia norte-americana também despertaram a atenção dos investidores por aqui, já que uma inflação próxima dos 2% poderá mudar a decisão do Federal Reserve em mexer com as taxas de juros.

Ao final, o Ibovespa ficou em queda de 0,59% aos 86.383 pontos. O volume financeiro ficou em R$9,11 bilhões. O IEE ficou em queda de 0,65%.

“Depois de algum tempo, o cenário político voltou a pesar na bolsa de São Paulo. O investidor ficou de lado e analisando o imbróglio político que está se formando. Hoje, a decisão sobre Romero Jucá, a quebra do sigilo bancário do presidente Temer e a definição sobre o processo de Lula foram os destaques. Em paralelo, as commodities caíram e alguns papéis de primeira linha, que ontem ganharam preço, entraram em venda hoje. As ações financeiras e elétricas ajudaram a puxar o índice principal para baixo”, disse o operador da Renascença, Luiz Roberto Monteiro.

As ações com ganhos
MRV ON, alta de 2,79%; Estacio Part. ON, alta de 3,41%; JBS ON, alta de 2,16%; Suzano Papel ON, alta de 2,89%; e Klabin UNT, alta de 2,37%.

As ações com perdas
Cemig PN, queda de 3,08%; Localiza ON, queda de 3,03%; Cosan ON, queda de 3,31%; Engie Brasil ON, queda de 2,21%; e Fleury ON, queda de 2,27%.

A Petrobras ON ficou em queda de 0,96% e a PN, queda de 0,99%.

A Vale ON ficou em queda de 0,78%.

A Fibria ON ficou em queda de 0,46%.

O BB ON ficou em queda de 1,45%.

O Itau Unibanco PN manteve a queda de 0,81%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica do Índice Bovespa em vigor de 02 de janeiro a 04 de maio de 2018. Os cinco ativos que apresentam o maior peso na composição do índice são: Itauunibanco PN (10,510%), Vale ON (9,993%), Bradesco PN (7,830%), Ambev S/A ON (6,875%) e Petrobras PN (5,240%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em queda na bolsa de Futuros de Londres a 0,51% a US$64,21 o barril.

O petróleo WTI segue em queda de 0,70%, cotado a US$ 60,93 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, ficou em queda de 0,21% a US$69,78 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1.080,10, alta de 1,03%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$1.027,70 a tonelada e em alta de 1,59%.

Moedas

O dólar comercial ganhou força nesta terça-feira no cenário doméstico, com o clima político dos Estados Unidos novamente no radar dos investidores. A moeda perde força a bolsa de Nova York, com o índice de preços ao consumidor mantendo uma ligeira alta e contribuindo com uma inflação anual de 1,7%. As questões políticas também estão no foco.

Ao final, no interbancário, a moeda ficou em R$3,261 para a compra e R$3,262 para a venda, alta de 0,13%.

O euro ficou em R$4,038 para a compra e R$4,040 para a venda, alta de 0,38%.

A libra ficou em R$4,552 para a compra e R$4,553 para a venda, alta de 0,37%.

Na Nyse, o índice DXY, que compara a moeda com seis outras, ficou em queda de 0,29% a 89,69. O WSJ, que amplia a comparação com mais 16, ficou em queda de 0,03% a 83,53.

O euro ficou em alta de 0,01% a US$1.2394 e a libra em alta de 0,02% a US$1.3966.

Pesou no movimento de hoje a decisão do presidente Donald Trump em demitir o Secretário de Estado, Rex Tillerson. Dados econômicos apresentados hoje também pesaram no desempenho.


Assuntos desta notícia