Clicky

MetaTrader 728×90

Os mercados acionários fecharam com ganhos nesta quinta-feira, com os investidores digerindo as falas do governo norte-americano nas redes sociais sobre o possível ataque de mísseis contra a Síria.

Usando novamente o Twitter,  o presidente Donald Trump disparou novas declarações. Desta vez, Trump elevou o suspense sobre quando e como os Estados Unidos vão agir contra o país de Bashar al-Assad.  As consultas com os aliados em busca de apoio, segundo agências internacionais, prosseguem. A Alemanha já declarou que não participa da ação.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Enquanto isso, as bolsas de valores asiáticas fecharam com perdas. Os investidores ficaram atentos para as declarações de Trump e também analisando o conteúdo da ata do Federal Reserve divulgada ontem.

Na Europa, os mercados acionários fecharam com ganhos. A ata da reunião do Banco Central Europeu, com sinais de corte no programa de flexibilização quantitativo e aumento nas taxas de juros, ficou no radar, mas não teve força para tirar o apetite dos investidores para o risco.

Nos Estados Unidos, os índices de peso fecharam no azul. Falas de Trump, indicadores e início da temporada de balanços também refletiram nas negociações.

Por aqui, a bolsa de valores de São Paulo operou em forte volatilidade, mas conseguiu fechar com ganhos. Na carona com o cenário externo, o índice Bovespa fechou no positivo. O dólar manteve a valorização.

Já o preço do petróleo sofreu uma correção com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo – Opep, em seu relatório mensal, afirmando que a produção do grupo caiu em março, mas o total de suprimentos globais subiu na esteira da crescente produção dos países que não estão na organização. O cartel estima o preço em US$80,00 o barril em 2019.

ÁSIA

As bolsas da Ásia fecharam no vermelho nesta quinta-feira, com o aumento da tensão na Síria e também com o ata do Federal Reserve, apresentada ontem, que veio com tom mais agressivo sobre as próximas decisões para a política monetária dos Estados Unidos. Ainda ficou no radar a postura do governo chinês em elevar o tom para as discussões das relações comerciais com o governo  norte-americano.

Ao final, o índice Asia Dow ficou em queda de 0,37% a 3.603. O Hang Seng, Hong Kong, ficou em queda de 0,21% aos 30.831. O Xangai Composite ficou em queda de 0,87% aos 3.180. O índice Kospi, Coreia do Sul, ficou em queda de 0,06% aos 2.442 pontos. O índice FTSE Straits, Cingapura, ficou em queda de 0,32% aos 3.468. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,47% aos 34.101. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,49% a 21.687. O índice XJO, bolsa de Sidney ficou em queda de 0,23% aos 5.815.

As quedas ocorreram depois do recuo em Wall Street, com o presidente Donald Trump afirmando através do Twitter que os EUA podem lançar um ataque com mísseis contra a Síria .

Durante a sessão da manhã, o Ministério do Comércio da China divulgou seu mais recente protesto contra o protecionismo comercial dos Estados Unidos  dizendo que o país iria “reagir sem qualquer hesitação” e não está atualmente envolvido em negociações com Washington.

As ações da Samsung Electronics subiram 0,29% e ajudaram o índice coreano com ganhos de 0,3%, e um avanço ainda mais forte em um ponto durante o pregão.

O banco central da Coreia do Sul manteve as taxas de juros ao fim da reunião desta quinta-feira, de acordo com as expectativas do mercado.

EUROPA

As bolsas de valores da Europa reverteram as perdas da abertura e finalizaram no positivo nesta quinta-feira. O temor de um ataque dos Estados Unidos na Síria foi abrandado com o governo norte-americano afirmando que a investida era apenas uma possibilidade. Com isso, caiu a pressão sobre os mercados acionários do Velho Continente.

Ao final da jornada, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,70% aos 378.82, em Londres; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta de 1,27% aos 23.304; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 0,12% aos 9.747; o DAX 30 (Frankfurt) subiu 0,98% aos 12.415; o FTSE-100 (Londres) ficou estável a 7.258; o CAC 40 (Paris) subiu 0,59% aos 5.309; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,40% a 5.487.

Ainda no radar dos negociadores ficou o conteúdo da ata da última reunião do Banco Central Europeu – BCE reafirmando o corte gradual no programa de flexibilização quantitativo que injeta € 30 bilhões por mês na economia da região. O BCE também deu sinal de que poderá elevar a taxa de juros.

Os membros do BCE veem as guerras comerciais como um risco para a recuperação econômica da Zona do Euro, segundo a ata divulgada hoje.

Entre as ações com perdas nas bolsas da Europa estavam as do Carrefour, que caíram 3,4%. A rede de supermercados francesa informou que as vendas no primeiro trimestre de 2018 caíram.

Entre as ações com ganhos estavam as da Playtech PLC, alta de 5,7%, depois que a empresa de software elevou as apostas de compra da italiana SNAITech por € 846 milhões de euros (US $ 1,05 bilhão).

ESTADO UNIDOS

Os índices de Wall Street reverteram as perdas nesta sessão, com os investidores digerindo as declarações do governo norte-americano nas redes sociais sobre um possível ataque com mísseis contra a Síria. Além disso, o início da temporada de balanços corporativos deve ofuscar o temor de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Ao final, o S&P ficou em alta de 0,83% aos 2.663 pontos. O Dow Jones ficou em alta de 1,21% aos 24.483 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 1,01% a 7.140 pontos.

As preocupações geopolíticas continuaram pesando nos mercados depois que Trump sinalizou nesta quarta-feira, via Twitter, que um ataque de mísseis contra a Síria não estava longe: “Prepare-se, Rússia!” Hoje, em uma nova postagem, Trump reverteu a declaração. “Nunca disse quando um ataque à Síria aconteceria. Pode ser em breve ou não tão cedo! ”

A possibilidade de um ataque ocidental contra o presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiado pela Rússia, vem crescendo desde que um ataque de armas químicas, sancionado pelo governo, matou civis em Damasco no fim de semana.

Entre as ações com ganhos ficaram as ações da BlackRock Inc, 1,5%, depois que a gigante de gestão de ativos informou ganhos e receita acima das estimativas.

A Delta Air Lines Inc subiu 2,9%, depois de relatar ganhos do primeiro trimestre e vendas que superaram as previsões, embora desde uma perspectiva pessimista para o resto do ano.

Indicadores

Nos Estados Unidos, na semana encerrada em 07 de abril, os pedidos iniciais de seguro desemprego ajustado sazonalmente foi de 233 mil, uma queda de 9 mil em relação ao nível não revisado da semana anterior de 242 mil. A média móvel de quatro semanas foi de 230 mil, um aumento de 1.750 da média não revisada da semana anterior de 228.250.

Reclamações em procedimentos em Porto Rico e nas Ilhas Virgens ainda não voltaram ao normal.

A taxa de desemprego antecipado com ajuste sazonal foi de 1,3% para a semana encerrada em 31 de março, inalterada em relação à taxa não revisada da semana anterior.

Nos Estados Unidos, os preços de importação não registraram nenhuma alteração em março, informou hoje o Departamento do Comércio, depois de um aumento de 0,3% em fevereiro. Preços mais altos de produtos compensaram a queda nos preços do combustível importado em março. Os preços para as exportações dos Estados Unidos avançaram 0,3% em março, depois de subirem 0,2% no mês anterior. Os preços de importação não registraram variação em março, depois dos aumentos de 0,3% em fevereiro e de 0,8% em janeiro. O índice não caiu mensalmente desde a queda de 0,2% em julho de 2017. Os preços das importações dos Estados Unidos aumentaram 3,6% entre março de 2017 e março de 2018.

BRASIL

A bolsa de valores de São Paulo ganhou força perto do fechamento nesta quinta-feira, com os investidores acompanhando as reações positivas dos demais mercados. A queda no estresse de que os Estados Unidos poderiam atacar a Síria acabou ajudando.

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,23% aos 85.443 pontos. O volume financeiro ficou em R$8,8 bilhões.

“A  bolsa, que em grande parte do pregão não acompanhou o cenário externo, acabou virando perto do fechamento. O alívio na pressão de um possível conflito geopolítico ajudou a melhorar o humor do investidor estrangeiro. Os papéis de primeira linha acabaram realizando, como os da Petrobras. Na contramão ficou o Bradesco com ruídos no radar. A Vale recuperou a queda de ontem”, disse o gerente de Bovespa da HCommcor, Ari Santos.

As ações com ganhos
Qualicorp ON, alta de 3,91%; Ecorodovias ON, alta de 4,40%; ViaVarejo UNT, alta de 4,94%; Natura ON, alta de 3,72%; e Gerdau Met. PN, alta de 3,77%.

As ações com perdas
Bradesco ON, queda de 2,05%; Telef. Brasil PN, queda de 3,01%; Bradesco PN, queda de 1,81%; Ambev ON, queda de 2,35%; e Sanepar UNT , queda de 1,17%.

A Petrobras ON ficou em alta de 0,16% e a PN em queda de 0,55%.

A Vale ON ficou em alta de 0,38%.

O Itau Unibanco PN ficou em alta de 0,88%.

Carteira Teórica

A Carteira Teórica do Índice Bovespa em vigor de 02 de janeiro a 04 de maio de 2018. Os cinco ativos que apresentam o maior peso na composição do índice são: Itauunibanco PN (10,510%), Vale ON (9,993%), Bradesco PN (7,830%), Ambev S/A ON (6,875%) e Petrobras PN (5,240%).

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em queda na bolsa de Futuros de Londres a 1,67% a US$71,70 o barril.

O petróleo WTI ficou em alta de 0,48%, cotado a US$ 67,14 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, ficou em queda de 0,49% a US$64,47 a tonelada seca e com 62% de pureza.

A celulose fibra longa negociada fechou US$1.124,70, alta de 2,52%, a tonelada na sessão anterior. A celulose fibra curta fechou em US$1.034,10 a tonelada, alta de 0,30%.

Moedas

O dólar comercial manteve a alta nesta quinta-feira, com o mercado acionário volátil, na carona com o cenário externo. Embora a pressão de que os Estados Unidos poderiam atacar a Síria tenha diminuído as incertezas ainda tomaram conta dos mercados cambiais. Na bolsa de Nova York, os índices da moeda operam valorizados.

Ao final, no interbancário, a moeda ficou cotada a R$3,406 para a compra e R$3,408 para a venda, alta de 0,63%.

O euro ficou em R$4,199 para a compra e R$4,203 para a venda, alta de 0,67%.

A libra ficou em R$4, 848 para a compra e R$4,851 para a venda, alta de 1,36%.

O Banco Central do Brasil vendeu 3,4 mil contratos, na modalidade swap cambial tradicional que equivale a venda de dólares no mercado futuro, rolando US$680 milhões e com vencimento para maio.

Na bolsa de Nova York, o índice DXY , que mede o comportamento da moeda com mais seis, estava em alta de 0,28% a 89,76. O WSJ, que amplia o comparativo para 16 outras moedas, estava em alta de 0,18% a 83,81.

O euro fechou em queda de 0,19% a US$1.2333. A libra ficou em alta de 0,34% a US$1.4240.

O avanço do dólar no mercado internacional, depois de cinco sessões em queda, ficou com a busca dos investidores para ativos mais seguros em tempos de turbulência geopolítica. Ontem, por exemplo, o  presidente Donald Trump foi duro ao destacar um ataque dos Estados Unidos contra a Síria com a acusação de que o governo daquele país teria sido o responsável pelo uso de armas químicas motivando civis em Damasco no fim de semana. O aumento da tensão ocorreu com o presidente Vladimir Putin ameaçando os Estados Unidos em defesa do presidente sírio Bashar al-Assad.

No Reino Unido, a primeira-ministra  Theresa May convocou hoje seu gabinete para discutir se deveria apoiar as ações militares propostas pelos Estados Unidos, destacando que está pronta para a ação.

Já a chanceler alemã Angela Merkel ponderou e disse que seu país não participaria de uma ação militar contra a Síria.

Com o clima tenso, as moedas dispararam na Europa. Entretanto, logo depois de divulgados os números da produção industrial da Zona do Euro, que recuaram ligeiramente pelo terceiro mês consecutivo em fevereiro, o euro acabou voltando nos mercados europeus.  Já a libra disparou frente a todas as moedas com a decisão de Theresa May.


Assuntos desta notícia

Join the Conversation