Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

O pregão da Bolsa de Valores de São Paulo foi marcado por forte volatilidade nesta terça-feira. Os investidores acompanharam os demais mercados, antes de qualquer alteração na política monetária dos Estados Unidos. Por outro lado, as questões políticas de Brasília e da Operação Lava Jato, com novos pedidos de prisão, também ficaram no radar.

Os preços do petróleo nos mercados da Europa e dos Estados Unidos, acima dos US$50,00 o barril, também incentivaram os negociadores na partida para o risco e ações da Petrobras, bem como o minério de ferro na China.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Para os analistas do mercado financeiro doméstico, a Bovespa deverá seguir dividida entre perdas e ganhos até que alguma medida econômica mais objetiva seja adotada pelo atual governo.

Por outro lado, o Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central do Brasil iniciou a reunião de dois dias para definir a taxa referencial de juros do país. A divulgação da Selic, atualmente aos 14,25% ao ano, deverá ocorrer na noite desta quarta-feira (08), logo depois do fechamento dos mercados.

A reunião é a última com Alexandre Tombini no comando, depois de seis anos. Porém, segundo o presidente em exercício Michel Temer, Tombini deverá permanecer no governo.

Ao final, o Ibovespa subiu 0,11% aos 50,487 pontos. O giro financeiro caminhava ficou em R$5 bilhões.

Do lado cambial, o dólar comercial ficou desvalorizado. No interbancário, a divisa ficou cotada a R$3,447 na compra e R$3,448 na venda, queda de 1,20%.

O preço do minério de ferro, com 62% de pureza, no porto de Qingdao ficou em alta de 2,8% aos US$52,54 a tonelada seca. A alta da commoditie não ajudou a Vale, que marcou mais uma desvalorização. As ações ON oscilaram 1,89% e PN, 0,15%.

A mineradora anunciou hoje, que através da subsidiária integral, Vale Overseas Limited, pretende emitir bônus com vencimento em junho de 2021, garantidos pela mineradora

Entre as altas no Ibovespa estavam as ações da TIM PART ON, R$7,16, (+4.07%); PETROBRAS ON, R$11,13, (+3,06%); QUALICORP ON, R$17,39, (+3.27%); SMILES ON, R$43,24, (+1,50%); e PETROBRAS PN, R$8,62, (+1,89%).

Na contramão estavam as ações SID NACIONAL ON,R$6,99, (−5,41%); LOCALIZA ON, R$32,34, (−3,46%); USIMINAS PNA, R$1,88, (−2,08%); BRASKEM PNA, R$20,55, (−2.84%); e GERDAU MET PN,R$2,17, (−2,25%).

Petróleo

O barril do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou em alta de 1,34% nesta terça-feira, aos US$ 50,36, pela primeira vez acima da barreira psicológica de US$ 50 desde julho do ano passado.

Ao final da sessão de hoje na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em julho subiram US$ 0,67 em relação ao fechamento de ontem.

A última vez que o barril do Texas tinha fechado acima de US$ 50 foi em 21 de julho de 2015, quando o WTI fechou cotado também em US$ 50,36, embora no dia seguinte tenha voltado a perder esse nível psicológico que não tinha conseguido recuperar até agora.

Os analistas voltaram a atribuir essa alta às sabotagens e ataques a instalações petrolíferas que estão acontecendo na Nigéria, um dos principais produtores de petróleo da África, que obrigaram a reduzir as extrações.

O barril de petróleo Brent para entrega em agosto fechou nesta terça-feira no mercado de futuros de Londres cotado a US$ 51,43, um avanço de 1,9% em relação à sessão anterior.

O petróleo do Mar do Norte terminou a sessão no International Exchange Futures (ICE) US$ 0,96 acima do valor final da sessão de ontem.


Assuntos desta notícia