Clicky

MetaTrader 728×90

Depois da primeira entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira no Trump Tower, Nova York, pelo presidente eleito dos Estados Unidos Donald Trump, os mercados acionários globais estão operando sem direção no começo da tarde desta quinta-feira. Os investidores ainda estão digerindo as falas sem muita clareza do novo presidente, bem como a forma grosseira de tratar a imprensa.

Reações a parte sobre o polêmico bilionário presidente, as empresas de saúde com papéis nas principais bolsas da Europa e Ásia estão entre as maiores quedas, movimento iniciado já na tarde de ontem, com Trump se posicionando sobre o Obamacare, programa de saúde criado pelo presidente Barack Obama, e reafirmando que vai proteger e criar novos negócios para as farmacêuticas norte-americanas.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Por aqui, em dia de agenda vazia, o mercado financeiro está digerindo a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), Banco Central do Brasil (BCB), que cortou a taxa referencial de juros do País, a Selic, em 0,75 p.p e trazendo para 13%, um recuo que motivou o mercado.

A Bovespa  opera acima dos 64 mil pontos (Ver abaixo).

O dólar comercial, no interbancário, estava cotado aos R$3, 178 para a compra e R$3,178 para a venda, queda de 0,4%.

ÁSIA

Os mercados acionários asiáticos fecharam com ganhos nesta quinta-feira, com as commodities. As ações do Japão caíram com as farmacêuticas, depois de Donald Trump afirmar que iria reforçar o segmento com novos negócios do País.

Os analistas da região acreditam que mais impactos deverão ocorrer com as propostas que Trump apresentar para a China e demais mercados.

Ao final, o Índice MSCI Asia Pacific subiu 1,1%, com nove dos 11 grupos industriais subindo liderados por alta de 1,9% no índice de metais. O índice Asia Dow ficou em alta de 0,82% aos 3.064 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng ficou em queda de 0,46% aos 22.829 pontos. Na China, o índice SSE Composite, da bolsa de Xangai ficou em alta de 0,56% aos 3.119 pontos. Na Coreia do Sul, o índice Kospi ficou em alta de 0,58% aos 2.087 pontos. Na Índia, o índice BSE da bolsa de Bombai ficou em alta de 0,39% aos 27.247 pontos. O Nikkei 225 ficou em queda de 1,19% aos 19.134 pontos.

O índice atual da pesquisa da Watchers da Economia do Japão chegou em 51,4 em dezembro, a mesma leitura do mês anterior. Em outubro, a pontuação foi de 48,4. Qualquer leitura acima de 50 indica otimismo e uma leitura abaixo de 50 sugere pessimismo. Ao mesmo tempo, o índice de perspectivas caiu para 50,9 em dezembro de 51,3 em novembro.

EUROPA

As bolsas europeias seguem sem direção nesta quinta-feira, ainda com os investidores pressionados com a fala de Donald Trump.*

As empresas de saúde também perderam força, movimento intensificado ainda na sessão de ontem, quando Trump afirmou mudanças e fortalecimento nos negócios locais.

A Novo Nordisk A / S e a Shire Plc, que consideram a América do Norte como seu maior mercado, estavam entre as maiores perdedoras do índice de saúde Stoxx 600, seguindo as perdas nos pares dos Estados Unidos ontem.

Entre as ações para cima estão as mineradoras, empresas de serviços públicos e de bens pessoais e domésticos.

Os estoques europeus estão perdendo o impulso, depois dos melhores resultados para o começo de ano desde 2013. O Stoxx 600 marca queda na semana de 0,7%.

Perto do fechamento, em Londres, o índice Stoxx Europe 600 estava em queda de 0,29% aos 363.86. Em Milão, o índice FTSE-MIB caía 0,18% aos 19.452 pontos. Em Madri, o índice Ibex 35 subia 0,34% aos 9.440 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX 30 caía 0,57% aos 11.581 pontos. Em Paris, o índice CAC 40 seguia em queda de 0,13% aos 4.882 pontos. Em Londres, o índice FTSE-100 seguia estável aos 7.290 pontos. E, em Lisboa, o índice PSI-20 caía 0,04% aos 4.588 pontos.

Em dezembro de 2016, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) na França subiu 0,3% ao longo de um mês após uma estabilidade nos dois meses anteriores.

Ajustado sazonalmente, o índice subiu 0,1%, como no mês anterior. No acumulado do ano, o IPC acelerou pelo segundo mês consecutivo em 0,6%, 0,4% em outubro e 0,5% em novembro e atingiu seu maior crescimento desde maio de 2014. O aumento mensal sazonal se deu nos preços dos serviços.

Os preços da energia e dos alimentos aumentaram ao mesmo ritmo que em novembro. Os preços dos produtos manufaturados permaneceram estáveis após uma ligeira queda em novembro.

Na Itália, o índice mede a evolução mensal do volume de produção industrial (excluindo a construção). Em novembro de 2016, o índice de produção industrial ajustado sazonalmente aumentou 0,7% em relação ao mês anterior. A variação percentual da média dos últimos três meses em relação aos três meses anteriores foi de alta de 0,9. O índice de produção industrial ajustado pelo calendário aumentou 3,2% em relação a novembro de 2015.

Em novembro de 2016, em relação a outubro, a produção industrial ajustada sazonalmente aumentou 1,5% na Zona do Euro (EA19) e 1,6% na União Europeia (E28), segundo estimativas do Eurostat, o Serviço de Estatística da União Europeia.

Em outubro de 2016, a produção industrial aumentou 0,1% na EA19, enquanto diminuiu 0,1% na UE28. Em Novembro de 2016, em comparação com novembro de 2015, a produção industrial aumentou 3,2% na EA19 e 3,1% na UE28. O aumento de 1,5% da produção industrial na Zona do Euro em novembro de 2016, em comparação com outubro de 2016, deve-se à subida da produção de bens de consumo não duradouros.

ESTADOS UNIDOS

Os índices de peso em Wall Street abriram no vermelho nesta quinta-feira, com os investidores decepcionados com a falta de detalhes políticos do presidente eleito Donald Trump em sua primeira coletiva de imprensa nesta quarta-feira (11).**

Há pouco, o índice S&P 500  caía 0,34% para 2.268; o Dow Jones Industrial perdia 0,38% para 19.879; e o Nasdaq Composite recuava 0,44%, para 5.539.

Na semana que terminou em 07 de janeiro, o número de pedidos antecipados para o auxílio-desempregos, ajustado, nos Estados Unidos era de  247 mil, alta de 10 mil do nível revisado da semana anterior. O nível da semana anterior foi revisado para cima em 2 mil de 235 mil para 237mil.

A média móvel de quatro semanas foi 256.500, uma queda de 1.750 da média revisada da semana anterior. A média da semana anterior foi revisada em alta de 1.500, de 256.750 para 258.250. Não houve fatores especiais que afetaram as reivindicações iniciais desta semana. O resultado marca 97ª semanas consecutivas de reivindicações iniciais abaixo de 300mil e segue a maior faixa desde 1970. Os dados são do Departamento do Trabalho norte-americano e foram apresentados hoje.

BRASIL

A Bovespa opera em forte alta nesta quinta-feira, com os investidores animados com a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), Banco Central do Brasil (BCB), em reduzir a taxa básica de juros pela terceira vez consecutiva, de 13,75% para 13,00% – maior corte em quase cinco anos. ***

As ações dos principais bancos também estão operando para cima nesta tarde, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil.

Há pouco, o Ibovespa estava em alta de 2,52% aos 64.021 pontos. O volume financeiro também é um dos mais elevados para o horário, perto dos R$4 bilhões.

A redução da Selic de forma mais agressiva, com uma redução de 0,75 ponto percentual, vem a partir de uma maior confiança no cenário de desinflação e também de um maior receio com relação a retomada da economia, consideraram as principais entidades ligadas ao comércio do País.

 

Carteira Teórica

A carteira teórica do Índice Bovespa que passou a vigorar entre e 02 de janeiro de 2017 a 28 de abril de 2017, com base no fechamento do pregão de 29 de dezembro de 2016, totaliza 59 ativos de 56 empresas e com a entrada da Eletrobras ON (ELET3). Os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Itauunibanco PN (10,681%), Bradesco PN (7,740%), Ambev S/A ON (7,183%), Petrobras PN (6,008%) e Petrobras ON (4,592%).

Commodities

No momento, o futuro do petróleo tipo WTI, para entrega em fevereiro, é negociado a US$ 52,87 o barril, com alta de 1,19% na Bolsa Mercantil de Futuros em Nova York.

*** Informações completas no BOLETIM DE FECHAMENTO

 


Assuntos desta notícia