Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Brasília voltou a tremer nesta quarta-feira com a prisão do ex-deputado cassado, Eduardo Cunha, (PMDB-RJ), pela Polícia Federal no âmbito da Operação Lava Jato e por determinação do Juiz da 13ª Vara Federal do Paraná, Sérgio Moro.

Diferente do que ocorre sempre, Cunha foi preso preventivamente no começo desta tarde, em Brasília, e uma hora depois já estava embarcado no avião do PF seguindo para Curitiba. O ex-deputado e também ex-presidente da Câmara Federal está em cela separada dos demais envolvidos na Lava Jato e deverá prestar depoimento para Moro nos próximos dias. Vale ressaltar que Cunha foi peça importante impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Logo depois da notícia, o silêncio tomou conta do Planalto Central do País, inclusive com a suspensão de votações importantes, como as emendas no texto base desobrigando a participação da Petrobras nas partilhas do pré-sal na Câmara Federal. O fantasma da delação premiada assombrou muita gente.

De volta ao Brasil, antes do horário previsto, o presidente Michel Temer deverá chegar nesta quinta-feira da Ásia.

Por outro lado, ainda nesta tarde, o Comitê de Política Monetária (Copom), Banco Central do Brasil, cortou a taxa referencial de juros, a Selic, para 14% ao ano. A primeira depois de quatro anos.

Mesmo com o recuo tímido de 0,25 p.p, várias entidades comemoraram. A decisão, por unanimidade e sem viés, chega depois de quatro anos. O Brasil está em deflação!

A última vez em que a taxa tinha sido reduzida foi em outubro de 2012, quando o Copom fez o corte de 7,5% para 7,25% ao ano. A taxa foi mantida nesse nível, o menor da história, até abril de 2013, mas passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho do ano passado.

Por aqui, a FGV/IBRE mostrou, nesta quarta-feira, que o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou, no segundo decêndio de outubro, variação de 0,16%. No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a variação foi de 0,27%. O segundo decêndio do IGP-M compreende o intervalo entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou variação de 0,19%, no segundo decêndio de outubro. No mesmo período do mês anterior, a taxa foi de 0,30%. A taxa de variação dos Bens Finais passou de -0,24% para 0,25%. A maior contribuição para este movimento teve origem no subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,45% para 2,02%.

Os números do IBGE mostraram nesta quarta-feira que em agosto de 2016 o volume dos serviços recuou 1,6% quando comparado a julho, na série livre de influências sazonais, após crescimento de 0,7% em julho e recuo de 0,3% em junho. Na série sem ajuste sazonal, no confronto com igual mês do ano anterior, o setor apontou queda de 3,9%, a maior para o mês de agosto na série iniciada em janeiro de 2012, e a 17ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação. Com esses resultados, a taxa acumulada nos primeiros oito meses ficou em -4,7% e, nos últimos 12 meses, em -5,0%.

A Bovespa corrigiu os exageros da sessão anterior e operou em queda.

O dólar comercial despencou (Ver abaixo).

Já no cenário externo, os investidores dos principais mercados acionários globais seguiram analisando os dados econômicos da China, balanços financeiros e, principalmente para as pistas dos bancos centrais. As commodities ficaram com preços no positivo, em especial, os preços do petróleo.

O debate entre Hillary Clinton e Donald Trump também ficou no centro das discussões nos Estados Unidos.

ÁSIA

As ações asiáticas subiram pelo segundo dia nesta quarta-feira, depois que os dados da China mostraram que a maior economia da Ásia manteve-se estável no terceiro trimestre e com a crescente especulação de que o Federal Reserve vai elevar as taxas de juros em dezembro.

O Índice MSCI Asia Pacific subiu 0,3% para 139,82, em Hong Kong, aparando um ganho de até 0,4%, depois que os números chineses, e o índice Hang Seng ficou em queda de alta de 0,38% aos 23.304 pontos.
O índice SSE Composite, bolsa de Xangai, ficou em alta de 0,03% aos 3.084 pontos. Na Coreia do Sul, o Kospi ficou em alta de 0,02% a 2.040 pontos. Na Índia, o índice BSE da bolsa de Bombai ficou em queda de 0,24% aos 27.984 pontos. Em Tóquio, o Nikkei 225 ficou em alta de 0,25% aos 16.905 pontos.

O produto interno bruto (PIB) da China, na taxa anualizada, cresceu 6,7% no terceiro trimestre, após um ganho similar no segundo. A taxa de crescimento ficou em linha com a meta para o ano inteiro de Pequim de entre 6,5% e 7%.

A economia chinesa tem sido uma tendência de baixa constante desde o início de 2014. A desaceleração se intensificou em 2015, mas desde então tem mostrado sinais de moderação, com os bancos centrais sinalizando apoio à economia para incentivar o consumo e serviços e também a indústria pesada.

EUROPA

As Bolsas da Europa reverteram as perdas da abertura nesta quarta-feira, com os resultados corporativos de empresas da região. Além disso, os negociadores aproveitaram para comprar enquanto esperam pelo resultado da reunião do Banco Central Europeu (BCE) nesta quinta-feira (20).

Entre as ações com maiores ganhos estavam as da Accor SA, 5%, o maior desde junho, depois que a maior operadora de hotéis da Europa registrar aumento nos resultados do terceiro trimestre.

As ações da ASML Holding NV subiram 2,2%, depois que a maior fabricante de semicondutores da Europa elevar a previsão lucratividade no quarto trimestre e acima das expectativas dos analistas. As ações das montadoras subiram, em meio a um euro mais fraco. As energéticas também subiram com os preços do petróleo.

Na contramão estavam as ações da Reckitt Benckiser Group Plc recuaram 2,6%, a maior queda desde janeiro, depois que a fabricante de preservativos Durex e analgésicos Nurofen afirmar que o crescimento da receita este ano será inferior ao estimado inicialmente.

O conteúdo do Livro Bege, Federal Reserve, terá peso nas negociações das bolsas europeias somente amanhã, considerando que os investidores também acompanham as apostas sobre a decisão do Fed para as taxas de juros dos Estados Unidos.

Ao final da jornada, o índice Stoxx Europe 600 subiu 0,03% aos 343,64 pontos em Londres. Em Milão, o índice FTSE-MIB subiu 0,46% aos 17.044 pontos. Em Madri, o índice Ibex 35 subiu 0,96% aos 8.950 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 subiu 0,25% aos 4.520 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX 30 subiu 0,13% aos 10.645 pontos. Em Londres, o índice FTSE-100 subiu 0,31% aos 7.021 pontos. E, em Lisboa, o índice PSI-20 subiu 0,94% aos 4.722 pontos.

A agenda está vazia.

ESTADOS UNIDOS

Os índices de peso em Wall Street fecharam com ganhos nesta quarta-feira, com os preços do petróleo subindo depois da divulgação dos estoques dos Estados Unidos.

O Livro Bege não trouxe novidades, apenas mostrou reações positivas em várias regiões do País, o que manteve o otimismo para as taxas de juros mais altas apenas em dezembro.

Por outro lado, o estado de Nevada será palco do último debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton (Democrata) e Donald Trump (Republicano). O confronto promete grande audiência, já que as pesquisas revelam Hillary com nove pontos a frente de Trump.

Ao final, o Dow Jones subia 0,22% aos 18.202 pontos; o S&P subiu 0,22% aos 2.144 pontos; e Nasdaq recuava 0,05% aos 5.246 pontos.

Os estoques de petróleo ficaram em queda inesperada e puxaram as ações, depois de uma fraca abertura, com as companhias de petróleo e gás disparando. O Comerica Inc. subiu 2,8% para liderar as ações de bancos, depois dos resultados trimestrais.

O Goldman Sachs Group Inc. subiu pelo segundo dia pós-lucro, que se estende seus nove meses de alta.

A Chevron Corp. saltou 1,4%, com o petróleo bruto subindo 3%.

O Yahoo! Inc. subiu 2,4 %, depois que o lucro trimestral superou as estimativas.

Sobre os indicadores econômicos, as construções de novas casas caíram nos Estados Unidos em setembro, multifamiliares, enquanto as licenças subiram mais do que o previsto dando sinais de progresso em imóveis residenciais.

O início de novas construções diminuiu 9% a uma taxa anualizada 1,05 milhões, o menor nível desde março de 2015. Os dados são do Departamento de Comércio dos Estados Unidos e apresentados hoje em Washington.

Os números mais recentes elevar a probabilidade de que a construção de casas, que responde por cerca de 3% da economia, poderá pesar no resultado do PIB para baixo no terceiro trimestre.

As construções de casas multifamiliares, como moradias e edifícios de apartamentos, deslizaram para 38%, para uma taxa anual de 264.000. Os dados sobre estes projetos, que levaram o começo das obras nos últimos anos, estão voláteis. O início de novas estruturas com pelo menos cinco unidades são os mais baixos desde junho de 2013.

As licenças para construir aumentaram para uma taxa anualizada 1,23 milhões. A estimativa era para um ritmo de 1,17 milhões, depois de 1,15 milhões no mês anterior, de acordo com a pesquisa.

A construção de casas unifamiliares subiu 8,1%, para uma taxa de 783 mil, a maior desde fevereiro, de 724 mil no mês anterior.
Três das quatro regiões registaram um decréscimo, liderada pelo Nordeste, com uma queda de 36%, segundo o relatório. Nas demais ficaram inalteradas.

Livro Bege

A economia dos Estados Unidos manteve um ritmo de crescimento constante entre o final de agosto e início de outubro, com o mercado de trabalho apertado com pressões salariais contribuiu para uma perspectiva “principalmente positiva”. A conclusão está no Livro Bege, compilado de documentos do Federal Reserve dos 12 distritos.

“A maioria dos distritos indicou um ritmo modesto ou moderado de expansão. Perspectivas foram predominantemente positivas, com o ritmo de crescimento de ligeiro a moderado em vários distritos”, mostra o documento.

BRASIL

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em queda nesta quarta-feira, com os investidores corrigindo os exageros dos últimos e elevando os lucros com as vendas. A Vale recuou e a Petrobras ligeiramente para cima. A queda nas reservas de petróleo dos Estados Unidos pesou nos preços das commodities nos mercados internacionais.

Por outro lado, as vendas também refletiram as expectativas para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), Banco Central do Brasil, para a taxa referencial de juros, a Selic.

Ao final, o Ibovespa recuou 0,43% aos 63.505 pontos. O volume financeiro ficou em R$8 bilhões.

Entre as ações com ganhos ficaram as da Kroton ON, alta de 1,93%; BM&FBovespa ON, alta de 2,24%; Cyrela Realt ON, alta de 1,57%; Gerdau Metalúrgica PN, alta de 1,49%; e Localiza ON, alta de 1,46%.

Na contramão estavam as ações da Cosan ON, queda 3,91%; Siderúrgica Nacional ON, queda de 2,73%; Rumo Log ON, queda de 2,48%; Natura ON, queda de 2,36%; e Marfrig ON, queda de 1,85%.

Carteira teórica

Na carteira teórica, que vigora entre 05 de setembro de 2016 a 29 de dezembro de 2016, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do Ibovespa estão Itauunibanco PN (10,594%), Ambev S/A ON (8,588%), Bradesco PN (7,955%), Petrobras PN (5,523%) e Petrobras ON (4,268%).

Moedas

O dólar comercial fechou em forte queda nesta quarta-feira Ao final, no interbancário, a moeda ficou cotada aos R$3, 167 para a compra e R$3, 169 para a venda, queda de 0,44%.

O euro fechou em R$3,472 para a compra e R$3, 476 para a venda, queda de 0,72%.

Em Frankfurt, o euro era cotado a US$ 1,0967 às 15h GMT (12h de Brasília) desta quarta-feira no mercado de divisas, abaixo do valor da sessão de terça-feira no mesmo horário, que foi de US$ 1,0973.
Por sua vez, o Banco Central Europeu (BCE) fixou o câmbio oficial do euro em US$ 1,0979.

O movimento de hoje acompanhou o cenário doméstico e com os preços de outros ativos mai interessantes.

O BC ofertou 5.000 contratos em swap cambial. Todos os contratos foram vendidos.

No mercado externo, o dólar subiu nesta quarta-feira frente ao euro e caiu em relação ao iene pelo segundo dia consecutivo, em uma jornada de altas nos indicadores de Wall Street graças ao aumento dos preços do petróleo, a resultados empresariais que agradaram aos investidores e à divulgação do chamado “Livro Bege” do Federal Reserve (Fed), que constatou um aumento modesto da atividade econômica na maioria das regiões dos Estados Unidos.

Ao término do pregão nos mercados financeiros de Nova York, o euro era cotado a US$ 1,0975, valor inferior ao do fechamento de ontem, que foi de US$ 1,0981.

Em relação à moeda japonesa, o dólar caiu de 103,86 para 103,44 ienes. Além disso, a moeda americana se desvalorizou no câmbio com o franco-suíço, mas ganhou força em relação ao dólar canadense e à libra esterlina. Essas informações são da Ag.Efe.

Commodities

O barril do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou nesta quarta-feira em alta de 2,6%, cotado a US$ 51,60 – seu valor mais alto desde julho de 2015 -, por influência da forte queda das reservas de petróleo nos Estados Unidos.

Ao final da sessão na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em novembro subiram US$ 0,31 em relação ao fechamento de ontem.

Por sua vez, os contratos de gasolina para entrega em novembro mantiveram-se estáveis em US$ 1,51 o galão, e os de gás natural com vencimento no mesmo mês caíram 9 centavos, para US$ 3,17 dólares por cada mil pés cúbicos.

O barril de petróleo Brent para entrega em dezembro fechou nesta quarta-feira em alta de 1,91% no mercado de futuros de Londres, cotado a US$ 52,67.

O petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures (ICE) US$ 0,99 acima do valor final da sessão de ontem, que foi de US$ 51,68.

O Brent se desvalorizou após a divulgação de uma inesperada queda das reservas de petróleo nos Estados Unidos.


Assuntos desta notícia