Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

A B3 opera em alta nesta segunda-feira, com os investidores partindo para o
risco na carona global, depois do resultado da eleição no primeiro turno da
França. De outro lado, as votações decisivas essa semana em Brasília, como as
reformas da Previdência e Trabalhista, estão no foco. Os preços das
commodities estão para baixo, com destaque para o minério de ferro nas negociações do porto de Gingdao, China.

Há pouco, o Ibovespa estava em alta de 133% aos pontos. O volume financeiro
seguia para R$4 bilhões.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

O primeiro turno da eleição francesa entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen animou os investidores globais. O segundo turno, em 07 de maio, os dois candidatos de vão brigar para comandar a segunda maior economia do Velho Continente e selar o destino da União Europeia. Já na primeira estimativa de intenção de votos revela que Macron é amplamente favorito para ocupar o lugar de François Hollande.

As ações com ganhos
Hypermarcas ON, alta de 5,99%; Qualicorp ON, alta de 3,42%; JBS ON, alta de 2,79%; Natura ON, alta de 3,25%; e Bradesco PN, alta de 2,95%.

As ações com perdas
Telefônica Brasil PN, queda de 1,00%; Ecorodovias ON, queda de 0,75%; Pão de Açúcar PN, queda de 1,12%; Cyrela Realt ON, queda de 1,29%.

A Petrobras ON estava em alta de 1,33% e a PN, alta de 1,15%.
A Vale ON estava em alta de 0,90% e a PN, alta de 0,87%.

Carteira Teórica

A carteira teórica do Índice Bovespa que passou a vigorar entre e 02 de janeiro de
2017 a 28 de abril de 2017, com base no fechamento do pregão de 29 de dezembro de 2016, totaliza 59 ativos de 56 empresas e com a entrada da Eletrobras ON (ELET3). Os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Itauunibanco PN (10,681%), Bradesco PN (7,740%), Ambev S/A ON (7,183%), Petrobras PN (6,008%) e Petrobras ON (4,592%).

Empresas

Na última quinta-feira (19), a Petrobras (PETR4) reajustou os preços dos combustíveis. O aumento médio de 2,2% no preço da gasolina e de 4,3% no diesel, em razão da alta na cotação internacional do petróleo e seus derivados. Questões geopolíticas foram um dos principais motivos para a volatilidade dos preços mundo afora.

A S&P melhorou a perspectiva da Vale (VALE5) de estável para positiva a perspectiva do rating global da Vale. A alta na cotação do minério de ferro e os esforços da administração em reduzir sua alavancagem, por meio da venda de ativos não estratégicos e rígido controle de custos, tem levado a melhora na qualidade de crédito da mineradora, de acordo com a S&P. Mesmo diante de uma leve queda no preço do minério, a agência espera que a companhia consiga reduzir sua dívida esse ano, o que abriria espaço para uma elevação em seu rating.

A Alpargatas (ALPA4) deve migrar para o Novo Mercado, conforme autorizou o Conselho de Administração na proposta do acionista minoritário Bonsucex Holding, de migrar do Nível 1 para o Novo Mercado. A proposta será levada a votação em assembleia geral extraordinária e assembleia geral especial de acionistas preferencialistas, ainda sem data prevista. Segundo Márcio Utsch, presidente da Alpargatas, a assembleia de acionistas deve ser realizada no prazo de aproximadamente 30 dias e de acordo com a proposta, a conversão de ações preferenciais em ações ordinárias será feita na proporção de 1,3 ação preferencial para cada 1 ação ordinária, essa proporção foi proposta pela J&F Investimentos, controladora da companhia (atualmente detendo 54,24% das ações e 85,78% das ações ordinárias). Atualmente, a Alpargatas possui 470,4 milhões de ações, das quais 51,4% são ordinárias e 48,6% são preferenciais.

Pagam dividendos nesta segunda-feira: AES Tietê e Vale

Commodities

O minério de ferro negociado no porto de Gingdao, China, fechou em queda de 2,50% a US$66,53 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Hoje, o ministro de Energia da Arábia Saudita afirmou que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) fechou acordo preliminar para estender os cortes na produção para além deste primeiro semestre.

Há pouco, o contrato futuro do produto tipo WTI negociado na Bolsa Mercantil de Futuros, Nova York, para entrega em junho é negociado a US$ 49,20 o barril, com desvalorização de 0,85%.


Assuntos desta notícia