Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Joseph Guyler Delva

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) – Cerca de duas mil pessoas tomaram as ruas da capital do Haiti na segunda-feira para protestar contra comentários atribuídos ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a nação caribenha ser um “país de merda”, que causaram revolta na primeira república negra independente do mundo.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Trump negou ter usado a palavra para descrever o Haiti e países africanos durante um encontro sobre imigração neste mês, mas sua afirmação foi contradita por outras pessoas, incluindo o senador democrata Richard Durbin, que participou das conversas.

Os relatos provocaram ampla ira e fortes críticas mundialmente, e manifestantes haitianos participando do primeiro grande protesto nas ruas do país caribenho desde os supostos comentários de Trump atacaram o presidente norte-americano.

“Trump é um racista vulgar, e um racista é uma pessoa muito pobre de espírito”, disse Marvel Joseph, segurando uma bandeira haitiana. “Nós não sentimos nenhum ressentimento contra o povo americano, que nós sabemos que desaprova amplamente o comportamento de Trump na Casa Branca”.

Manifestantes seguraram cartazes de Donald Trump com uma bunda no lugar da boca e outras caricaturas do presidente norte-americano.

Trump negou ser racista após a controvérsia.
2018-01-23T114241Z_1_LYNXMPEE0M0S3_RTROPTP_1_USA-IMMIGRATION-HAITI-PROTEST.JPG urn:newsml:onlinereport.com:20180123:nRTROPT20180123114241LYNXMPEE0M0S3 Manifestantes haitiano protestem em Porto Príncipe contra presidente dos EUA, Donald Trump OLBRTOPNEWS Reuters Brazil Online Report Top News 20180123T114241+0000 20180123T114241+0000


Assuntos desta notícia