Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Foo Yun Chee
BRUXELAS, 7 Jun (Reuters) – O Google deve receber uma
segunda multa antitruste da União Europeia em meados de julho,
por usar seu sistema operacional dominante Android para expulsar
concorrentes do mercado, disseram três fontes familiarizadas com
o assunto.
A Comissão Europeia, que tem investigado o caso envolvendo a
unidade da Alphabet desde 2015, pode tomar sua decisão
na semana de 9 de julho, embora o momento exato ainda possa
mudar.
Para dissuadir outros, a penalidade da UE deve superar a
multa recorde de 2,4 bilhões de euros (2,8 bilhões de dólares)
aplicada contra o Google no ano passado por favorecer
injustamente seu serviço de compras, disseram fontes à Reuters
no ano passado.
O órgão de concorrência da UE também vai mandar o Google
parar suas práticas anticompetitivas, tais como acordos de
licenciamento que impedem os fabricantes de smartphones de
promover alternativas para aplicativos como Google Search e
Maps.
O Android é o mais importantes dos três casos da UE contra o
Google por causa de seu enorme potencial de crescimento.
Mudanças impostas pela UE, no entanto, podem ter pouco
impacto sobre o Google por causa de seu poder de mercado e dos
benefícios de se manter fiel à empresa, disseram executivos da
indústria, analistas e até mesmo críticos.
A Comissão não quis comentar. O Google fez referência a uma
postagem de 2016 de seu diretor jurídico Kent Walker que
rejeitou as acusações da UE.
Recentemente, o Google quis realizar uma audiência a portas
fechadas em uma tentativa de apresentar seu caso a autoridades
seniores da Comissão e agências nacionais defesa da
concorrências, após saber de novos detalhes e evidências que o
regulador planeja usar contra a empresa, disseram outras fontes
com conhecimento direto do assunto.
O pedido foi recusado.
Um terceiro caso no qual o Google foi acusado de bloquear
rivais em seu sistema de busca de anúncio online AdSense em 2016
provavelmente deve se arrastar até o fim do ano ou além,
disseram outras fontes. A empresa desde então parou seu suposto
comportamento anticompetitivo.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 5644-7727))
REUTERS FB RBS


Assuntos desta notícia

Join the Conversation