Clicky

mm TD 728

As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em junho de 2017, sendo esta a sétima redução consecutiva e oitava redução em dois anos. De acordo com Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da ANEFAC, este resultado pode ser atribuído à expectativa de novas reduções da taxa básica de juros (Selic) frente à redução da inflação.

Pessoa Física

Das seis linhas de crédito pesquisadas, duas tiveram suas taxas de juros elevadas no mês (cartão de crédito rotativo e cheque especial) e quatro tiveram suas taxas de juros reduzidas no mês (juros do comércio, CDC-bancos-financiamento de veículos, empréstimo pessoal-bancos e empréstimo pessoal-financeiras).

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma redução de 0,01 ponto percentual no mês (0,27 ponto percentual no ano) correspondente a uma redução de 0,13% no mês (0,19% em doze meses) passando a mesma de 7,65% ao mês (142,20% ao ano) em maio/2017 para 7,64% ao mês (141,93% ao ano) em junho/2017 sendo esta a menor taxa de juros desde dezembro/2015.

Pessoa Jurídica

Das três linhas de crédito pesquisadas, todas reduziram suas taxas de juros no mês.

A taxa de juros média geral para pessoa jurídica apresentou uma redução de 0,03 ponto percentual no mês (0,58 ponto percentual no ano) correspondente a uma redução de 0,66% no mês (0,83% em doze meses) passando a mesma de 4,53% ao mês (70,17% ao ano) em maio/2016 para 4,50% ao mês (69,59% ao ano) em junho/2017, sendo esta a menor taxa de juros desde fevereiro/2016.

Taxa de juros x Selic

Considerando todas as elevações e reduções da taxa básica de juros (Selic) promovidas pelo Banco Central desde março/2013, tivemos neste período (março/2013 a junho/2017) uma elevação da Selic de 3,00 pontos percentuais (elevação de 41,38%) de 7,25% ao ano em março/2013 para 10,25% ao ano em junho/2017.

Neste período a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de 53,96 pontos percentuais (elevação de 61,34%) de 87,97% ao ano em março/2013 para 141,93% ao ano em junho/2017.

Nas operações de crédito para pessoa jurídica houve uma elevação de 26,01 pontos percentuais (elevação de 59,68%) de 43,58% ao ano em março/2013 para 69,59% ao ano em junho/2017.

Perspectivas

A partir de outubro/2016 o Banco Central começou a flexibilizar sua política monetária com a redução da taxa básica de juros (Selic). Tendo em vista a melhora das expectativas quanto á redução da inflação bem como na melhora fiscal deveremos ter novas reduções da taxa básica de juros o que reduz o custo de captação dos bancos possibilitando novas reduções das taxas de juros nas operações de crédito.

“Entretanto, considerando-se o cenário econômico atual que aumenta o risco de elevação dos índices de inadimplência por conta da recessão econômica em curso, bem como o desemprego elevado, isto aumenta igualmente o risco de novas elevações das taxas de juros aos consumidores sejam pessoa física ou jurídica”, pontua Miguel.


Assuntos desta notícia

Join the Conversation