Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Eric Auchard e Douglas Busvine
MUNIQUE, 21 Jan (Reuters) – Os executivos do Facebook
estão espalhados pela Europa nesta semana para explicar a lenta
resposta da gigante rede social aos abusos em sua plataforma,
visando evitar novas legislações similares à nova lei de
discurso de ódio da Alemanha, que diz ir longe demais.
O diretor de comunicações e políticas públicas do Facebook
usou uma reunião anual em Munique, com a presença da elite
tecnológica da Europa e do Vale do Silício, para se desculpar
por não ter feito mais e agido com antecedência para combater o
discurso de ódio e campanhas de influência estrangeira no
Facebook.
"Nós investimos demais para criar novas experiências e pouco
para evitar abusos", disse o executivo Elliot Schrage, em uma
palestra na conferência DLD Munich neste domingo.
Uma lei alemã que começou a valer no início do ano exige que
as redes sociais como Facebook, Google e Twitter removam
discurso de ódio online ou enfrentarão multas pesadas.
"(A lei) estabelece uma ideia correta para a relação entre o
governo e o setor privado, mas também vai além do que…
acreditamos que devesse ir", disse Schrage sobre a lei.
Por outro lado, Schrage elogiou a abordagem da União
Europeia em exigir que empresas de internet adotem um código de
conduta e respondam rapidamente a pedidos para derrubar conteúdo
ilegal em vez de exigir que elas mesmas tomem essa decisão.
Em vez de ser um "velho oeste do conteúdo", argumentou
Schrage, as políticas do Facebook sobre o policiamento do
conteúdo estão muito mais alinhadas com os rígidos limites
europeus sobre discurso de ódio do que a reputação de que
qualquer coisa é aceita, que herdou do Vale do Silício.
"Nós frequentemente somos criticados por sermos uma empresa
norte-americana. Mas nossas políticas sobre o respeito à
expressão são muito mais próximas do modo como os padrões
evoluíram na Europa que nos Estados Unidos", disse Schrage.
Mas várias lideranças tecnológicas na plateia disseram que o
Facebook ignorou por muito tempo quais eram suas
responsabilidades editoriais para o policiamento de conteúdo
abusivo em sua plataforma.
A diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, se
reunirá com formuladores de políticas em Paris e Bruxelas,
enquanto Schrage viajará pela Alemanha. Ainda nesta semana eles
se encontrarão em Davos, na cúpula anual que reúne políticos do
mundo inteiro, empresários, banqueiros e celebridades nos Alpes
Suíços.
((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447764))
REUTERS PAL


Assuntos desta notícia