Clicky

MetaTrader 728×90

As vendas B2C (Business to Consumer) no varejo online nas categorias bens de consumo, turismo e auto movimentaram cerca de R$ 27,4 bilhões no primeiro semestre de 2016, o que representa 41,9% dos R$ 64,4 bilhões previstos para o segmento faturar neste ano. O levantamento conduzido pela consultoria E-Consulting aponta queda de 2,35% nos primeiros seis meses. Os números foram divulgados nesta quarta-feira.

Segundo o estudo, bens de consumo continua a liderar o índice, arrecadando R$ 14,89 bilhões de janeiro a julho de 2016. Era previsto para esta categoria, que mensura as vendas de eletro, eletrônicos, informática, vestuários e produtos de beleza, atingir neste período 43% do montante previsto para o ano, que é de R$ 32,3, porém o setor alcançou 46,1%, observando um incremento de 3,1%

MetaTrader 300×250

“Apesar dos primeiros seis meses do ano haver diversos fatores não convergentes com o aquecimento das vendas no e-commerce, porque é um momento em que tem que pagar matrícula na escola, IPTU, IPVA e outros tributos que impactam diretamente no poder de compra, bens de consumo superou as expectativas do período”, explica Daniel Domeneghetti, CEO da E-Consulting.

Outro nicho que faz parte da somatória está relacionado ao turismo. As viagens vendidas via web fecharam o ciclo com uma arrecadação de R$ 7,17 bilhões, ficando, praticamente, na meta prevista que era chegar aos 42,8% do volume previsto para 2016, que soma R$ 16,9 milhões.

Já em relação ao VOL Auto, a queda foi maior, retraindo 12% da previsão. O número registrado no primeiro semestre de 2016 foi de R$ 4,98 bilhões. O previsto da E-Consulting para as vendas de auto no período era chegar aos 42,8% da metade do ano, que é R$ 13,2 bilhões, porém atingiu apenas R$ 37,7%.

Medido há 14 anos, o cálculo do índice do VOL inclui em sua soma a potencialização do e-commerce B2C nas modalidades tradicional, mobile commerce, social commerce e compras coletivas, além do C2C (Consumer to Consumer).


Assuntos desta notícia