Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

ANCARA, 16 Abr (Reuters) – A Turquia não está contra ou a
favor de qualquer país envolvido na guerra da Síria, e sua
política para a região é diferente daquela de Irã, Rússia e
Estados Unidos, disse o vice-primeiro-ministro turco, Bekir
Bozdag, nesta segunda-feira.
Os comentários de Bozdag, que é o porta-voz do governo,
foram uma resposta a uma pergunta de um repórter sobre um
comentário do presidente francês, Emmanuel Macron, que disse que
o apoio turco a ataques com mísseis contra a Síria mostrou que
Ancara se "separou" da Rússia.
EUA, Reino Unido e França dispararam mais de 100 mísseis
contra a Síria na sexta-feira, um "ataque único" que o Pentágono
disser ter sido uma reação a indícios de que o presidente sírio,
Bashar al-Assad, foi responsável por um ataque com armas
químicas usando no mínimo gás cloro.
"A diretriz da Turquia para a Síria não é estar a favor ou
contra nenhum país. Não há mudança na diretriz que a Turquia vem
seguindo", disse Bozdag a repórteres no Catar. "Não temos uma
diretriz unificada com os EUA na questão da (milícia curda na
Síria) YPG, e a postura da Turquia não mudou. Também somos
contra o apoio incondicional ao regime (sírio) e estamos em
atrito com Irã e Rússia nisto", afirmou.
Embora a Turquia esteja cooperando com a Rússia e o Irã para
refrear parte da violência na Síria, Ancara vem exigindo há
tempos a saída de Assad e apoiando os rebeldes que o confrontam.
Os principais apoiadores de Assad são Moscou e Teerã.
A Turquia também tem discordado de Washington quanto ao
apoio dos EUA à YPG, que Ancara considera uma organização
terrorista ligada a militantes curdos que mantêm uma insurgência
em solo turco há décadas.
A Turquia apoiou os ataques aéreos de forças
norte-americanas, britânicas e francesas, dizendo que a medida
enviou um recado a Assad.
Bozdag disse que seu país não hesita em trabalhar com
qualquer país que defenda "princípios corretos" na Síria.
(Por Tuvan Gumrukcu e Ece Toksabay)
((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))
REUTERS PF


Assuntos desta notícia

Join the Conversation