Clicky

MetaTrader 728×90

Por Libby George
LONDRES, 13 Abr (Reuters) – A China deve aumentar o ritmo de
compra estratégica de petróleo em quase 30 por cento neste ano
em comparação com 2017, afirmou a Agência Internacional de
Energia (IEA, na sigla em inglês) nesta sexta-feira, e sua
intenção de construir estoques poderia impulsionar as tensões
comerciais com os Estados Unidos.
O maior importador de petróleo do mundo passou os últimos 15
anos criando o que a IEA chama de "o programa estratégico de
reservas de petróleo mais ambicioso do mundo" desde a década de
1970.
Mas seu ritmo de compras caiu pela metade no ano passado,
segundo a IEA, devido a problemas técnicos e "urgência reduzida
em uma era de oferta abundante".
Em 2018, a AIE informou que espera que a quantidade de
petróleo que flui para esses locais aumente 34,5 milhões de
barris, ou 95 mil barris por dia (bpd), um aumento de 28 por
cento em relação ao volume de 27 milhões de barris de 2017.
A urgência de construir e preencher os estoques após este
ano pode ter um impulso, segundo a IEA, pelo crescente conflito
comercial entre a China e os Estados Unidos –um novo exportador
de petróleo importante cujo presidente, Donald Trump, irritou a
China ao ameaçar impor bilhões de dólares em tarifas comerciais.
"Se as atuais tensões comerciais entre os EUA e a China
aumentarem, e dado que os EUA são um fornecedor crescente de
petróleo bruto para as refinarias chinesas, é possível que o
programa SPR (Reserva Estratégica de Petróleo) se beneficie de
um novo ímpeto", disse a AIE. disse.
((Tradução Redação Rio de Janeiro, 5521 2223-7104))
REUTERS MN RS


Assuntos desta notícia

Join the Conversation