Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

SÃO PAULO, 13 Nov (Reuters) – A Cesp apresentou
resultado "fraco" em balanço na noite da última sexta-feira, mas
o revés já era esperado e as ações da companhia estão baratas
mesmo em um cenário que não considere sua privatização, um
processo por enquanto suspenso pelo governo do Estado de São
Paulo, disseram analistas do BTG Pactual em relatório nesta
segunda-feira.

— "A Cesp apresentou resultados fracos no 3° trimestre,
como esperado… a companhia segue em um modo de 'esperar para
ver' em relação a seu processo de privatização", afirmam os
profissionais do banco.

MetaTrader 300×250

— A elétrica paulista fechou o terceiro trimestre com
prejuízo de 185,8 milhões de reais, ante lucro líquido de 80,3
milhões de reais no mesmo período do ano passado. A geração de
caixa medida pelo Ebitda foi negativa em 131,7 milhões, contra
189,4 milhões de reais positivos em 2016.

— Segundo o BTG, a Cesp sofre com uma hidrologia
desfavorável, que tem impactado a geração de caixa de empresas
com usinas hídricas. Os analistas disseram que a companhia é
mais afetada pelo problema que empresas privadas, por ter uma
atividade "menos dinâmica" na comercialização de energia, com a
qual outros agentes conseguiram montar posições no mercado para
se proteger de parte das perdas.

— O governo paulista suspendeu um leilão de privatização da
Cesp agendado para 26 de setembro e ainda não há data para a
realização da licitação. As autoridades estaduais tentam
negociar com a União uma possível extensão de contratos da
companhia para torná-la mais atrativa a investidores.

— "Dados os riscos políticos e regulatórios relacionados,
investidores estão avaliando a Cesp em um cenário de
não-privatização… com uma avaliação barata (mesmo em um
cenário de não-venda), nós mantemos nossa avaliação de
'compra'", escreveram os analistas do BTG, que veem preço alvo
de 20 reais para a ação em 12 meses.

— As ações preferenciais da Cesp operavam em alta de quase
2,5 por cento às 12:42 desta segunda-feira, a 12,38 reais.

(Por Luciano Costa; edição de Roberto Samora)
(([email protected]; 5511 5644 7519;
Reuters Messaging: [email protected]
– Twitter: @AnaliseEnergia))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation