Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

O Custo Unitário Básico (CUB) da construção civil do estado de São Paulo registrou queda de 0,03% em dezembro na comparação com novembro – a primeira vez em 12 meses. De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), o CUB representativo da construção paulista (R8-N) ficou em R$ 1.295,25 por metro quadrado no período. Em 2016 a alta chegou a 5,55%.

Dentro da composição do indicador, os custos médios com mão de obra representaram 61,28%, materiais, 35,56% e despesas administrativas 3,16%.

MetaTrader 300×250

A ligeira queda dos custos da construção em dezembro após a estabilidade do mês anterior reflete o baixo nível de atividade de toda a cadeira do setor da construção civil. “Esse cenário de estabilidade deve se manter nos primeiros meses de 2017, esperando-se apenas o reflexo do dissídio da mão de obra em maio próximo”, explica o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan.

Com desoneração

Nas obras incluídas na desoneração da folha de pagamentos também houve queda de 0,03% no CUB na comparação com novembro, totalizando R$ 1.200,63 por metro quadrado. Em 12 meses, o indicador chegou a 5,30%.

Na mesma base de comparação, foi registrada participação de 58,23% nos custos de mão de obra, 38,36% de materiais e 3,41% em despesas administrativas.

Custos dos insumos

Em dezembro, apenas um item registrou alta maior que o IGP-M (0,54%): placa de gesso para forro sem colocação (0,66%). A chapa compensado plastificado 18mm teve elevação igual ao do IGP-M. Entre os materiais de maior relevância para o cálculo do CUB, o cimento CPE-32, saco de 50 kg registrou alta de 0,15%, enquanto o aço CA-50 Ø 10 mm e o concreto FCK=25 MPa tiveram queda de 0,57% e 0,02%, respectivamente.

Custo Unitário Básico (CUB)

Calculado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e pela FGV (Fundação Getulio Vargas), o Custo Unitário Básico (CUB) é o índice oficial que reflete a variação dos custos mensais das construtoras para a utilização nos reajustes dos contratos de obras.


Assuntos desta notícia