Clicky

Chart Trading 728×90

A PROTESTE – Associação de Consumidores – realizou a segunda fase do estudo com carnes bovinas, embutidos e cortes de frango. O objetivo era avaliar se os produtos comercializados em diversos estabelecimentos também apresentavam as inconformidades citadas pela Polícia Federal na Operação Carne Fraca. Mais uma vez, foram identificados problemas nas amostras avaliadas.Os resultados foram apresentados nesta segunda-feira.

A “Operação Carne Fraca” foi deflagrada em março deste ano pela Polícia Federal. Sua principal denúncia referia-se a comercialização de carne adulterada no mercado interno e externo, apontando as maiores empresas do ramo — JBS, dona das marcas Seara, Swift, Friboi e Vigor, e a BRF, dona da Sadia e Perdigão.

Profitchart Pro 300×250

Baseado nessa operação e a pedido dos consumidores a PROTESTE Associação de Consumidores coletou, em supermercados localizados no estado de São Paulo, 26 amostras dos seguintes produtos: carne bovina (contrafilé, fraldinha e picanha); linguiça suína; salsicha; mortadela e filé de peito de frango, considerando inclusive alguns dos frigoríficos sob investigação.

Carne Bovina : Friboi JBS, Naturafrig , Astra e JJZ.
Linguiça Suína: Seara, Sadia, Perdigão na Brasa e Aurora.
Salsicha: Seara, Sadia, Aurora e Marba.
Mortadela : Ceratti, Confiança, Sadilar, Aurora.
Filé de peito: Sadia, Perdigão, Aurora, Seara, Allis, Mutifrango.

Na primeira fase da pesquisa, a PROTESTE já havia encontrado a presença de listeria e salmonella em 6 frigoríficos. Nessa segunda fase, foram encontrados a presença de um aditivo proibido e sinais de deterioração em 5 das 26 amostras avaliadas.

A Associação encontrou a presença de nitrato em cortes de contrafilé Friboi JBS e nas picanhas Frialto e Montana. Esse aditivo é empregado nos produtos cárneos com o objetivo de melhorar o aspecto (cor), prevenir o crescimento microbiológico além de atuar como um antioxidante, ou seja, atua aumentando o tempo de conservação desses produtos. A Anvisa e o Mapa só autorizam o seu uso em carnes processadas e embutidas – e, ainda assim, dentro de um certo limite (acima dele, cogita-se que o nitrato dê origem a componentes tóxicos e até cancerígenos). Porém, nas carnes frescas e congeladas (como é o caso das citadas), sua utilização é proibida.

Essas carnes resfriadas trazem, portanto, um aditivo não autorizado pela Anvisa e o Mapa, e que podem estar sendo empregado pelas empresas Friboi JBS, Frialto e Montana para encobrir falhas no processamento do alimento ou alterar a qualidade do produto. Mas, felizmente, essa adição se deu dentro dos valores seguros para o consumo humano.

Foi constada ainda a presença de peróxidos acima do esperado nas amostras de mortadela Cerrati e Confiança. Como são os primeiros compostos que se formam quando uma gordura se deteriora, esse resultado demonstra que os produtos não estavam bem conservados e apresentavam algum tipo de deterioração, estando, por exemplo, rançosas.

A PROTESTE enviará os resultados ao Ministério da Agricultura requerendo aumento da fiscalização, bem como a retirada do mercado das amostras que contém peróxidos e nitrato. A Anvisa também receberá cópia desses resultados.

Caso o consumidor tenha um dos produtos do teste em casa, ele pode contatar o SAC do fabricante e exigir a imediata substituição ou a restituição da quantidade paga, monetariamente atualizada.


Assuntos desta notícia