Clicky

MetaTrader 728×90

(Repete texto publicado na noite de quinta-feira)
Por Marta Nogueira
RIO DE JANEIRO, 30 Nov (Reuters) – As importações de
derivados de petróleo pelo Brasil em outubro subiram 60 por
cento ante o mesmo mês do ano passado e cresceram 21 por cento
em relação a setembro, evidenciando que o produto importado
continua ganhando mercado da Petrobras , que detém
quase 100 por cento da capacidade de refino do Brasil.
A direção da Petrobras admitiu, durante comentários sobre o
desempenho no terceiro trimestre, que estava perdendo mercado
para concorrentes, que têm elevado compras externas para suprir
a demanda doméstica. Isso ocorre enquanto a Petrobras tenta
calibrar seus reajustes de preços, que ocorrem quase que
diariamente.
O volume total de derivados importado em outubro somou
aproximadamente 21,438 milhões de barris, ante 13,386 milhões de
barris um ano antes e 17,656 milhões de barris em setembro,
publicou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e
Biocombustíveis (ANP) nesta quinta-feira.
No acumulado do ano, as importações totais de derivados do
petróleo pelo Brasil cresceram 25 por cento para 193 milhões de
barris, próximo de um recorde anual registrado em 2014, quando
as compras externas do país, no acumulado do ano inteiro,
somaram 196,735 milhões de barris, em meio a uma forte demanda.
No entanto, o crescimento expressivo das importações em 2017
acontece apesar das vendas totais de combustíveis no acumulado
do ano até outubro no país terem aumentado apenas 0,2 por cento,
segundo a ANP.
As importações têm crescido enquanto a produção de derivados
no Brasil atingiu, no acumulado de janeiro a outubro, seu menor
volume desde 2010.
O impulso das compras acontece em meio ao aumento de
importações de concorrentes da Petrobras, que vêm ganhando
participação de mercado desde que a petroleira estatal adotou
uma política de preços que segue a lógica do mercado, em busca
de resultados favoráveis para a sua área de abastecimento.
As importações de óleo diesel, combustível mais consumido do
Brasil, mais que dobraram em outubro, para 8,463 milhões de
barris, ante 4,145 milhões de barris no mesmo mês de 2016. Ante
setembro, as importações cresceram 36 por cento.
De janeiro a outubro, as compras de diesel no exterior
avançaram 61,3 por cento para 65,559 milhões de barris.
Já as importações de gasolina em outubro cresceram 65 por
cento em relação ao mesmo mês do ano passado, para 2,010 milhões
de barris. Em relação a setembro, as importações cresceram 35
por cento.
No acumulado do ano, as importações de gasolina do Brasil
cresceram 56,1 por cento.

REFINO EM QUEDA
Nos dez primeiros meses do ano, a produção de derivados do
petróleo pelo Brasil acumula queda de 5,8 por cento ante o mesmo
período do ano passado, para 555,932 milhões de barris, o menor
valor desde 2010, quando o país somou 551,199 milhões de barris
no mesmo período.
A queda é principalmente puxada pela produção de óleo diesel
no país, que caiu 12,8 por cento no acumulado do ano, para
213,247 milhões de barris, o menor volume para o período desde
2007.
Já a produção de gasolina no Brasil cresceu 0,2 por cento
entre janeiro e outubro, segundo a ANP.
A ANP não deu explicações sobre a queda no refino.

MetaTrader 300×250

(Por Marta Nogueira; edição de Roberto Samora)
(([email protected]; +55 21 2223 7104; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia

Join the Conversation