Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

(Repete texto publicado na noite de segunda-feira sem
alterações)
SÃO PAULO, 29 Jan (Reuters) – A Fibria teve lucro
líquido de 280 milhões de reais no quarto trimestre de 2017,
ante prejuízo de 92 milhões de reais um ano antes, quando foi
afetada por queda nos preços da commodity e desvalorização do
dólar.
As ações da companhia, maior produtora de celulose de
eucalipto do mundo, encerraram em alta de mais de 5 por cento
diante de notícia sobre consolidação no setor. A empresa citou
expectativa de aumento gradual na oferta de celulose nos
"primeiros meses de 2018", mas avaliou que o mercado global deve
continuar equilibrado por conta da demanda forte em todos os
mercados, em especial na China.
"O desempenho positivo da demanda chinesa será ancorado pela
entrada em operação de novas máquinas de papel, possíveis
fechamentos de fábricas ineficientes e o impacto da redução das
licenças para importação de papel reciclado…além da
continuidade de um cenário de estoques reduzidos nas mãos dos
produtores locais", afirmou a Fibria no balanço trimestral.
O resultado foi publicado alguns dias após a Fibria anunciar
novo aumento de preços da celulose para Europa, América do Norte
e Ásia válido a partir de fevereiro.
A Fibria informou no balanço que tem investimento aprovado
em 2018 de 3,7 bilhões de reais, queda de cerca de 21 por cento
ante 2017, quando a estava finalizando a construção da nova
linha de produção no Mato Grosso do Sul. Do projetado para este
ano, 444 milhões serão destinados às novas instalações no MS.
A companhia registrou no quarto trimestre geração de caixa
medida pelo lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação
e amortização (Ebitda) ajustado de 1,981 bilhão de reais,
crescimento de 146 por cento na comparação anual. O avanço foi
motivado por aumento de 36 por cento no preço médio líquido da
celulose em dólar e expansão do volume de vendas, que cresceu 20
por cento sobre o quarto trimestre de 2016, a 1,897 milhão de
toneladas. Na comparação com o trimestre anterior, o volume
vendido subiu 29 por cento.
A Fibria produziu 36 por cento mais celulose no quarto
trimestre do que um ano antes, crescimento apoiado na entrada em
operação em setembro da nova linha de produção no Mato Grosso do
Sul. A nova linha, chamada de "Horizonte 2", teve produção de
435 mil toneladas nos três últimos meses do ano passado.
A produção, as vendas e o preço maior da celulose ajudaram a
companhia reduzir o nível de endividamento para 2,49 vezes o
Ebitda em dezembro, ante 3,24 vezes no fim do terceiro trimestre
e 3,06 vezes no fim de 2016.
Além disso, ajudou no resultado a redução no custo caixa de
produção, que caiu 24 por cento sobre o fim de 2016 e 9 por
cento ante o terceiro trimestre, a 556 reais a tonelada. O dado
inclui parada de produção na unidade da empresa em Aracruz (ES),
sem isso, o custo caixa teria sido de 546 reais por tonelada.

(Por Alberto Alerigi Jr., edição de Aluísio Alves)
(([email protected]; + 55 11 5644-7712;
Reuters Messaging:
[email protected]))

MetaTrader 300×250

Assuntos desta notícia