Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

(Repete texto publicado na noite de terça-feira)
RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 13 Mar (Reuters) – A BR
Distribuidora , empresa de combustíveis controlada
pela Petrobras , teve lucro líquido de 531 milhões de
reais no quarto trimestre de 2017, alta de 921,2 por cento ante
o mesmo período do ano anterior, informou a empresa ao mercado
nesta terça-feira.
O salto no resultado se deu sobre uma base fraca no ano
anterior, quando foram contabilizadas provisões para
indenizações do Programa de Incentivo a Demissão Voluntária
(PIDV) e maiores perdas e provisões em processos judiciais e
administrativos.
Mas a líder no mercado de distribuição de combustíveis e
lubrificantes no país também reportou uma melhora nas margens de
comercialização na primeira vez em que publicou seus resultados
trimestrais após abrir o seu capital em dezembro na bolsa
paulista B3, com uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em
inglês).
Em 2017, o lucro líquido da empresa foi de 1,151 bilhão de
reais, revertendo prejuízo de 315 milhões e reais em 2016, "com
a melhora de margens em todos os segmentos e também em função
das menores perdas e provisões para processos judiciais e
administrativos".
"Os números refletem melhora no desempenho operacional
da companhia, em linha com a estratégia de recuperação de
rentabilidade apresentada ao mercado durante a abertura de
capital, realizada em 15 de dezembro de 2017", disse a
empresa, em nota.
Já o resultado operacional medido pelo lucro antes de juros,
impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado da BR
Distribuidora foi de 883 milhões de reais nos últimos três meses
do ano passado, alta de 7,7 por cento ante um ano antes,
principalmente em função da redução das despesas operacionais,
que compensou a redução do lucro bruto no período.
"O decréscimo no lucro bruto em 2017 (-1,5 por cento)
refletiu a queda no volume de vendas na rede de postos associado
ainda ao avanço dos players regionais e o menor volume vendido
às térmicas, compensados parcialmente pelo aumento nas margens
de comercialização", disse a empresa.
Em 2017, o Ebitda ajustado alcançou 3,067 bilhões de reais,
alta de 2,4 ante 2016, refletindo a melhora nas margens de
comercialização e a redução das despesas operacionais, com
destaque para a queda das despesas com pessoal em relação a
2016.
A receita líquida alcançou 23,2 bilhões de reais no quarto
trimestre (alta de 9,6 por cento), em função dos maiores preços
médios de realização de produtos. Em 2017, a receita líquida foi
de 84,6 bilhões, queda de 2,4 por cento devido a menores volumes
vendidos em relação a 2016, parcialmente compensados pelo
aumento dos preços médios de venda de produtos.
A Rede de Postos apresentou no quarto trimestre volume de
vendas 0,9 por cento inferior ao mesmo período do ano passado.
Na comparação anual, o volume de vendas em 2017 foi 4,4 por
cento inferior a 2016.
"A redução do volume vendido é atribuível à manutenção da
política de preservação das margens de comercialização,
priorizando a rentabilidade da companhia através de uma maior
seletividade das vendas", disse a companhia.

DIVIDENDOS
O fluxo de caixa livre da BR foi de 984 milhões de reais em
2017, próximo ao lucro líquido de 1,15 bilhão de reais, o que
permitirá o pagamento de 1,09 bilhão de reais em dividendos aos
acionistas, o que equivale a aproximadamente 95 por cento do
lucro líquido de 2017, afirmou a empresa em nota.
No quarto trimestre, o fluxo de caixa livre foi de 755
milhões de reais, uma alta de aproximadamente 37 por cento em
relação ao mesmo período de 2016.
A reestruturação de capital da companhia possibilitou,
segundo a BR, a redução da alavancagem, medida pelo indicador
dívida líquida/Ebitda ajustado, de 3,2 em 2016 para 1,3 vez em
2017.
Em agosto de 2017, a Petrobras decidiu aportar 6,3 bilhões
de reais na BR, em meio a um processo de limpeza do balanço que
buscou atrair investidores para o planejado IPO da
empresa.
A dívida líquida caiu 59 por cento ante 2016, para 3,885
bilhões de reais.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

(Por Marta Nogueira e Roberto Samora)
(([email protected]; +55 21 2223 7104; Reuters
Messaging: [email protected]))


Assuntos desta notícia