Clicky

MetaTrader 728×90

Por Shrutee Sarkar
BNGALORE, 14 Mar (Reuters) – As tarifas de importação do
presidente Donald Trump farão mais mal do que bem para a
economia dos Estados Unidos, diz a grande maioria dos
economistas ouvidos pela Reuters, que também esperam que o
Federal Reserve, banco central norte-americano, aumente a taxa
de juros este ano mais do que se pensava anteriormente.
O Fed elevará os juros na próxima semana, disseram todos os
104 economistas entrevistados pela Reuters entre 5 e 13 de
março, com mais três altas esperadas para este ano,
impulsionadas pelo sólido mercado de trabalho. No levantamento
feito há algumas semanas, as projeções eram de três altas neste
ano.
Quase 90 por cento dos 71 entrevistados também disseram que
estavam preocupados com as tarifas sobre as importações de aço e
alumínio que poderiam levar a uma guerra comercial mais ampla,
incluindo quase um terço que dizia estar "muito preocupada".
"Isso não é novo. Já vimos essas batalhas comerciais indo e
vindo no passado. Mas o que é diferente desta vez é a
persistência e o sentimento de que estamos apenas olhando a
ponta do iceberg sobre o protecionismo", disse o chefe de
economia global da BofAML, Ethan Harris.
"Será muito surpreendente não haver alguma medida de
retaliação de grandes parceiros comerciais ao longo do tempo",
acrescentou.
Quase 80 por cento dos 60 economistas que responderam a uma
pergunta sobre as tarifas disseram que a medida faria mais mal
do que bem e o restante disse que não faria nada ou muito pouco.
Nenhum dos entrevistados disse que beneficiaria a maior economia
do mundo.
Embora a decisão de Trump tenha afetado pouco os mercados
acionários, o dólar norte-americano prolongou seu recuo contra a
maioria das principais moedas. Pesquisa separada da Reuters
sobre estrategistas cambiais mostrou que isso continuará este
ano.
A última pesquisa mostrou que o Fed aumentaria a taxa de
juros em 0,25 ponto percentual na reunião de 20 a 21 de março,
para 1,50 a 1,75 por cento, e repita mais três vezes, uma vez
por trimestre, levando a taxa básica para 2,25 a 2,50 por cento
até o final de 2018.
Esse cenário mostra uma alta adicional no total, em
comparação com a pesquisa realizada no mês passado e o cenário
desenhado pelo próprio Fed.
(Por Shrutee Sarkar)
((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447509))
REUTERS TH PD


Assuntos desta notícia