Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) – O papa Francisco pediu nesta segunda-feira que todos os países apoiem o diálogo para diminuir as tensões na península coreana, e que trabalhem por uma proibição com vínculo legal das armas nucleares.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Em um pronunciamento anual a diplomatas que passou a ser conhecido como seu discurso de “Estado do Mundo”, Francisco também repetiu seu pedido para que o “status quo” de Jerusalém permaneça intacto, após a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer a cidade como capital de Israel.

Francisco também falou sobre mudanças climáticas, pedindo para países continuarem comprometidos com o Acordo de Paris de 2015 sobre redução de emissões de carbono. Trump anunciou que os EUA irão deixar o acordo.

"É de suma importância apoiar cada esforço para diálogo na península coreana, para encontrar novas maneiras de superar as disputas atuais, aumentando confiança mútua e garantindo um futuro pacífico para o povo coreano e o mundo inteiro", disse Francisco.

O papa discursou a diplomatas um dia antes de Coreia do Norte e Coreia do Sul estarem programadas para realizar conversas que devem resolver a participação da Coreia do Norte na Olimpíada de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul, em fevereiro.

Mais cedo neste mês, após o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, dizer ter um botão nuclear à disposição, Trump tuitou que o botão dos EUA à sua disposição é maior e mais poderoso.

"Armas nucleares devem ser proibidas", disse Francisco, citando um documento emitido pelo papa João 23 no auge da Guerra Fria e acrescentando que "não há como negar que a conflagração pode ser iniciada por alguma mudança e circunstância imprevisível".

Ele destacou que a Santa Sé está entre 122 Estados que no ano passado concordaram com um acordo da Organização das Nações Unidas para proibir armas nucleares. Os Estados Unidos, o Reino Unido, a França e outros boicotaram as conversas que levaram ao tratado, ao invés disso jurando compromisso ao Tratado de Não Proliferação Nuclear.

(Reportagem de Philip Pullella)
OLBRTOPNEWS Reuters Brazil Online Report Top News 20180108T112710+0000


Assuntos desta notícia