Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 728×90

SÃO PAULO, 2 Mai (Reuters) – Veja como fecharam nesta
quarta-feira mercados financeiros de Brasil, Estados Unidos e
Europa, além das movimentações nas cotações de petróleo, soja e
açúcar.

BOVESPA-Índice cai 1,8%, puxado por Itaú Unibanco
O principal índice de ações da B3 fechou em queda, com o
declínio de 4,5 por cento de Itaú Unibanco
respondendo pela maior pressão de baixa após resultado
trimestral, que não entusiasmou o mercado.
O Ibovespa caiu 1,82 por cento, a 84.547 pontos. O
volume financeiro do pregão somou 11,6 bilhões de reais.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

CÂMBIO- Dólar encosta em R$3,55, pico em quase 2 anos
O dólar fechou com alta de mais de 1 por cento e muito perto
do patamar de 3,55 reais, o maior em quase dois anos, com o
cenário externo ainda pesando após o banco central dos Estados
Unidos não reduzir expectativas de que os juros podem subir mais
do que o esperado no país.
O dólar avançou 1,3 por cento, a 3,5491 reais na
venda, maior nível desde 2 de junho de 2016 (3,5875 reais) e
maior avanço percentual desde o dia 9 passado (+1,60 por cento).

JURO- Taxas dos DIs fecham em alta com dólar e Fed
As taxas dos contratos futuros de juros fecharam em alta,
acompanhando o movimento do dólar frente diante da cena externa
que, apesar de o Federal Reserve ter mantido os juros, não
conseguiu reduzir expectativas de que as taxas podem subir mais
do que o esperado na maior economia do mundo.

BOLSA EUA- Wall St cai por receio sobre comércio com a China
Os mercados acionários dos EUA caíram, uma vez que possíveis
restrições a empresas de telecomunicações chinesas reforçaram
preocupações de investidores sobre a piora nas relações
comerciais entre EUA e China.
Os principais índices de Wall Street subiram brevemente após
o Federal Reserve manter as taxas de juros, mas devolveu ganhos.
O índice Dow Jones caiu 0,72 por cento, a 23.925
pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 0,720582 por cento, a
2.636 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,42
por cento, a 7.101 pontos.

BOLSA EUROPA- Índices avançam com setor de tecnologia após
resultados da Apple
Os mercados acionários europeus avançaram, impulsionados por
fortes resultados corporativos e pela alta do setor de
tecnologia depois de a Apple superar as expectativas fracas.
O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,57 por cento, a
1.519 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600
ganhou 0,63 por cento, a 387 pontos.

COMMODITIES
PETRÓLEO- Preços têm leve alta após Fed dizer que economia
cresce em ritmo moderado
Os preços do petróleo se fortaleceram levemente após o
Federal Reserve manter as taxas de juros estáveis e expressar
confiança de que uma alta recente da inflação seria sustentada.
O contrato julho do petróleo Brent teve alta de 0,23
dólar, a 73,36 dólares o barril. O petróleo dos EUA (WTI)
subiu 0,68 dólar, fechando a 67,93 dólares por barril.

SOJA , MILHO , TRIGO
Soja cai em Chicago por pessimismo com exportações; milho e
trigo também recuam
Os futuros da soja dos EUA caíram por preocupações sobre a
diminuição da demanda de exportação pela China, assim como
crescentes expectativas de uma abundante safra no Brasil,
disseram operadores.
Os futuros do trigo terminaram mistos. O trigo macio de
inverno desacelerou após um rali na terça-feira, enquanto os
contratos do trigo duro de inverno subiram devido a preocupações
com as plantações atingidas pela seca nas planícies dos EUA.
Os futuros do milho ficaram praticamente inalterados, mas
fecharam em território negativo. O grão foi suportado pelo
início lento das plantações no Meio-Oeste dos EUA, mas
operadores disseram ter ficado relutantes em puxar os preços
acima da máxima de 9 meses e meio atingida durante a sessão.

AÇÚCAR , CAFÉ
Açúcar sobe na ICE apesar de subsídios da Índia
Os contratos futuros do açúcar na ICE subiram, conforme
investidores seguraram posições vendidas para garantir lucros,
após os preços terem sido pressionados inicialmente pela
aprovação da Índia de subsídios que pode pavimentar o caminho
para exportações para o mercado mundial.

(Por Isabel Marchenta; edição de Aluísio Alves)
(([email protected]; +5511 5644 7721;))


Assuntos desta notícia