Clicky

MetaTrader 728×90

BRUXELAS, 13 Mar (Reuters) – Os líderes financeiros mundiais
vão se comprometer a lutar contra práticas comerciais injustas e
enfatizar o papel das regras de comércio global quando se
encontrarem no dia 20 de março, após os Estados Unidos elevarem
a ameaça de guerra comercial global ao impor tarifas de
importação de aço e alumínio.
Os ministros das finanças e presidentes de bancos centrais
das 20 maiores economias mundiais discutirão em 19 e 20 de março
em Buenos Aires os riscos para a melhoria das perspectivas
econômicas globais.
Um esboço do documento preparado para o encontro, visto pela
Reuteres, traz que os ministros e os banqueiros centrais
"reiteram as conclusões de nossos líderes sobre o comércio na
Cúpula de Hamburgo e estão trabalhando para estreitar suas
contribuições" para suas economias.
Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Donald
Trump, anunciou tarifas de importação de 25 por cento para o aço
e de 10 por cento para o alumínio para proteger a produção
local, além de defender que a medida era vital para a segurança
nacional.
Canadá e México ficaram de fora da medida. A União Euorpeia
tem pressionado para ser exceção também mas, até agora, sem
sucesso.
O movimento parece conflitar com a declaração assinada pelos
líderes do G20, incluindo Trump, em Hamburgo, em julho passado,
em que os países do G20 combaterão o protecionismo, incluindo
todas as práticas comerciais desleais, embora também tenha dito
reconhecer o papel de "instrumentos de defesa comercial
legítimos".
As tarifas norte-americanas essencialmente vão contra o que
é chamado de "regras baseadas no sistema de negociação
internacional", no qual disputas são negociadas através da
Organização Mundial do Comércio (OMC) ao invés de ações
unilaterais.
(Por Jan Strupczewski)
((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7723))
REUTERS CV PD


Assuntos desta notícia