Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

SÃO PAULO (Reuters) – O Tribunal Regional Federal da 3ª região negou nesta sexta-feira pedidos de habeas corpus feitos pelos defensores dos irmãos Joesley e Wesley Batista, controladores da processadora de carne JBS.

Os pedidos tinham sido feitos na véspera. Os irmãos são acusados de insider trading, uso de informação privilegiada para lucrar no mercado financeiro. Ambos foram acusados de ganhar vendendo ações da JBS antes de um acordo de delação premiada em maio, no qual confessaram subornar políticos. A delação, que envolveu o presidente Michel Temer, derrubou as ações da empresa e levou a uma forte alta do dólar.

Tesouro Direto Taxa Zero 300×250

Wesley foi preso na quarta-feira pela Polícia Federal e Joesley se entregou à PF junto com o ex-executivo da JBS Ricardo Saud no domingo, em outra ação.

Em nota à imprensa, a defesa dos irmãos Batista afirmou que vai recorrer no Superior Tribunal de Justiça (STJ) ainda nesta sexta-feira contra a rejeição dos pedidos de habeas corpus.

"A própria decisão reconhece a ausência de fato novo apto a justificar a prisão" dos irmãos, afirmou a defesa. "A inexistência de qualquer outro preso preventivo no Brasil pela acusação de insider trading revela uma excepcionalidade no mínimo curiosa", acrescentou.

(Por Alberto Alerigi Jr.)
2017-09-15T173805Z_1_LYNXNPED8E1KN_RTROPTP_1_BRAZIL-CORRUPTION-JBS.JPG urn:newsml:onlinereport.com:20170915:nRTROPT20170915173805LYNXNPED8E1KN Batista, chief executive of JBS leaves the federal police HQ to give a testimony in the federal court in Sao Paulo OLBRTOPNEWS Reuters Brazil Online Report Top News 20170915T163442+0000 20170915T173805+0000


Assuntos desta notícia