Clicky

MetaTrader 728×90

XANGAI, 26 Mai (Reuters) – Os pilotos de caça chineses
realizaram pousos noturnas no primeiro porta-aviões do país,
informou no sábado o jornal oficial China Daily, na mais recente
manifestação de força militar em meio aos esforços de Pequim
para modernizar suas forças armadas.
Pilotos que voavam em aviões J-15 pousaram à noite no
Liaoning, disse o jornal oficial, citando um vídeo postado pela
marinha chinesa. A publicação disse que esta foi uma manobra
complexa que marcou um "enorme salto para ganhar capacidade de
combate completa".
A China tem planos ambiciosos para reformar suas forças
armadas enquanto aumenta sua presença no disputado Mar do Sul da
China e em torno da autônoma Taiwan, uma ilha que a China
considera como sua.
O jornal oficial do Exército Popular de Libertação também
disse no sábado que os caças chineses realizaram recentemente
simulações de combate no Mar do Sul da China.
A China tem aumentado os exercícios militares navais em meio
a crescentes tensões com Taiwan. No mês passado, o presidente Xi
Jinping presidiu a maior demonstração militar da marinha já
realizada, com 76 caças e uma flotilha de 48 navios de guerra e
submarinos.
O primeiro porta-aviões desenvolvido na China iniciou os
testes no mar no início deste mês. O antigo Liaoning, que deverá
servir mais como um navio de treinamento, foi comprado de
segunda mão da Ucrânia em 1998.
Sua marinha também tem assumido um papel cada vez mais
importante nos últimos meses, com a navegação do Liaoning por
Taiwan e novos navios de guerra chineses aparecendo em lugares
distantes.
A mídia estatal citou especialistas dizendo que a China
precisa de pelo menos seis porta-aviões. Os Estados Unidos
operam 10 e planejam construir mais dois.
Muitos especialistas concordam que o desenvolvimento de tal
força seria um empreendimento de décadas, mas que a busca para
reforçar suas forças no mar será crucial no longo prazo, já que
a China parece querer reduzir a proeminência militar dos EUA na
região.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 5644-7727))
REUTERS FB


Assuntos desta notícia