Clicky

Profitchart Pro 728×90

PEQUIM, 13 Out (Reuters) – O crescimento das importações e
exportações da China acelerou em setembro, sugerindo que a
segunda maior economia do mundo ainda está expandindo a um ritmo
saudável, apesar das previsões de eventual desaceleração.
As importações cresceram 18,7 por cento em setembro em
relação ao ano anterior, superando as previsões de expansão de
13,5 por cento e acelerando frente aos 13,3 por cento em agosto,
informou o governo chinês nesta sexta-feira. O ganho foi mais
forte do que a previsão mais otimista em pesquisa da Reuters com
analistas.
As exportações aumentaram 8,1 por cento no período, abaixo
das previsões de 8,8 por cento, mas o maior resultado em três
meses e com vantagem expressiva sobre os 5 por cento em agosto.
Isso deixou o país com superávit comercial de 28,47 bilhões
de dólares no mês passado, menos do que os quase 40 bilhões de
dólares esperados em pesquisa Reuters e do saldo positivo de 42
bilhões de dólares em agosto.
As leituras positivas serão bem-vindas para Pequim antes do
Congresso do Partido Comunista na próxima semana, no qual o
presidente Xi Jinping deve fortalecer seu poder e estabelecer as
principais prioridades políticas e econômicas do governo para os
próximos cinco anos.
Mais uma vez, as importações da China foram lideradas por
matérias-primas industriais, uma vez que o boom da construção
não mostra sinais de desacelaração e as fábricas continuaram
fortes, impulsionando a demanda por de aço a cobre.
As importações de minério de ferro atingiram o recorde de
103 milhões de toneladas, sobre 88,7 milhões de toneladas em
agosto, de acordo com cálculos da Reuters. As importações de
cobre foram as mais elevadas desde março.
((Tradução Redação São Paulo, 5511 5644-7732))
REUTERS PD


Assuntos desta notícia

Join the Conversation