Clicky

Tesouro Direto Taxa Zero 970×250

Por Luciano Costa
SÃO PAULO, 14 Mar (Reuters) – O governo prevê iniciar em
abril testes para a implementação de preços horários no mercado
spot de eletricidade, em substituição a um cálculo hoje semanal
do chamado Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), disseram
técnicos do setor nesta quarta-feira.
O Ministério de Minas e Energia pretende aplicar os preços
spot horários a partir de janeiro de 2019, mas a ideia é que a
partir do dia 2 do próximo mês comece a ser divulgado um cálculo
preliminar, apenas para conhecimento e análise pelos agentes do
mercado.
"Estamos trabalhando com esse prazo do dia 2 e tudo indica
que vamos conseguir cumprir", disse o gerente de Preço da Câmara
de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rodrigo Sacchi,
durante evento do setor promovido pela Thomson Reuters em São
Paulo.
A CCEE é a responsável pelo cálculo semanal do PLD, que é
utilizado para valorar transações no mercado de curto prazo, ou
spot, no qual empresas do setor quitam diferenças entre os
valores registrados em contratos e a geração ou consumo efetivos
de cada agente.
O PLD também influencia a precificação de contratos no
mercado livre de eletricidade, onde grandes consumidores, como
indústrias, podem negociar contratos de fornecimento diretamente
junto a geradores e comercializadores, ao invés de serem
atendidos por distribuidoras.
Uma consulta pública sobre a adoção do preço horário foi
aberta em dezembro pelo Ministério de Minas e Energia, que disse
na época que a medida visa "melhorar a sinalização econômica do
valor da energia elétrica ao longo do tempo".
O governo também defendeu que a medida, uma vez implantada,
deverá "viabilizar novos produtos, negócios e serviços" no setor
de energia, com a diferença de preços entre horários ajudando a
viabilizar financeiramente negócios como sistemas de
armazenamento (baterias).
"Esse fato permite a valorização econômica dos benefícios ao
sistema de fontes que aportem recurso nas horas que o sistema
mais necessita", afirmou a pasta.
As autoridades defendem ainda que a mudança é necessária em
função da rápida expansão no país de fontes de geração de
energia variáveis, como parques eólicos e usinas solares.

(Edição de Roberto Samora)
(([email protected]; 5511 5644 7519;
Reuters Messaging: [email protected]
– Twitter: @AnaliseEnergia))

MetaTrader 300×250

Assuntos desta notícia